facebook jornal do sertão twitter jornal do sertaolinkedin jornal do sertaowhatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 20 de setembro de 2020

Pelo Mundo

Mudanças climáticas reduz a produção de cevada, matéria-prima da cerveja

Apenas a cevada de melhor qualidade (menos de 20% da produzida no mundo) é dedicada à produção de cerveja

Postado em 15/10/2018 2018 20:00 , Pelo Mundo. Atualizado em 15/10/2018 20:46

Foto/ Divulgação

Os eventos climáticos extremos que afetam esse cereal farão com que a bebida alcoólica mais popular do mundo se torne mais rara e mais cara, de acordo com um estudo publicado nesta segunda-feira (15).

“A queda na produção mundial de cevada significa uma queda ainda maior na produção de cevada cervejeira”, aponta Dabo Guan, professor de Economia da Mudança Climática na Universidade de East Anglia (Norwich, Reino Unido).

Ele observa que “as culturas da mais alta qualidade são as sensíveis” às mudanças no clima.

Apenas a cevada de melhor qualidade (menos de 20% da produzida no mundo) é dedicada à produção de cerveja.

Se o aquecimento global continuar no ritmo atual, os principais fenômenos adversos (secas, ondas de calor, gravidade incomum) afetarão cada uma das principais áreas de cultivo de cevada pelo menos uma vez por ano no decorrer deste século, o que causará uma queda de 16% na produção mundial de cerveja.

Isso é o equivalente ao que é bebido em um ano nos Estados Unidos atualmente, calcularam os pesquisadores em seu estudo, publicado na Nature Plants.

Como resultado dessas crises, o preço médio dobrará.

No cenário mais otimista (com uma grande diminuição imediata das emissões de gases do efeito estufa), cerca de 20 grandes eventos climáticos afetariam as regiões onde se cultiva cevada até 2100, o que reduziria a produção mundial de cerveja em 4% e aumentaria seu preço em 15%.

Alguns países serão particularmente afetados, de acordo com o estudo. Entre as 20 principais regiões consumidoras (per capita) estão atualmente a Europa, os Estados Unidos, a Nova Zelândia e a Austrália.

Os principais exportadores de cevada do mundo são Austrália, França, Rússia, Ucrânia e Argentina, seguidos por alguns outros países europeus. Os grandes importadores são China, Arábia Saudita e Irã, seguidos por três grandes cervejeiros – Holanda, Bélgica e Japão.

Em um mundo no qual o clima também ameaça reduzir a produção e o valor nutricional de outros cereais, como trigo, milho e arroz, a cevada também pode ser usada prioritariamente para o uso alimentício.

“As mudanças climáticas podem reduzir a disponibilidade, a estabilidade e o acesso a ‘bens de luxo'”, diz Guan.

Fonte: AFP