facebook jornal do sertão twitter jornal do sertaolinkedin jornal do sertaowhatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 30 de maro de 2020

Agro+conhecer

IPA apresenta ferramenta tecnológica PecuariAdapta

O PecuariAdapta será um sistema de alerta precoce para auxiliar na tomada de decisões

Postado em 16/10/2018 2018 19:56 , Agro+conhecer. Atualizado em 18/10/2018 13:30

As informações serão úteis, ainda, para a caprinocultura  –  Imagem/ Divulgação

Os resultados preliminares de um importante projeto do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA), órgão vinculado à Secretaria de Agricultura e Reforma Agrária,  Realizado com o apoio da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), o PecuariAdapta é um sistema de informações para apoio à adaptação do setor pecuário à variabilidade climática na região semiárida de Pernambuco.

Em andamento há cerca de um ano, o projeto visa a sistematização de informações e o desenvolvimento de ferramentas para o monitoramento do rebanho pecuário e da produção de forragem na região semiárida de Pernambuco, visando aprimorar a capacidade de adaptação para eventos de seca ex trema.
As informações serão úteis, ainda, para a caprinocultura, trabalhando desde a questão do solo até o estoque de forragem na região pesquisada. O PecuariAdapta também vai apresentar o monitoramento com os dados desde 1985 das condições climáticas de todo o estado de Pernambuco, onde o produtor poderá pesquisar qual o histórico de chuvas na área pretendida e, a partir desse histórico de previsões climáticas futuras, tomar decisão se é viável ou não a produção naquela localidade.
O PecuariAdapta será um sistema de alerta precoce para auxiliar na tomada de decisões, gerado a partir de informações científicas e ferramentas robustas, capaz de gerar cenários sobre a vulnerabilidade do rebanho, e indicar as áreas mais críticas e prioritárias para intervenção com um prazo adequado para adotarem-se medidas de adaptação. “É necessário identificarmos estratégias de adaptação para ações eficazes de apoio ao setor pecuário, antes de eventos de seca, sobretudo os mais extremos, a fim de evitarmos o colapso dos rebanhos”, esclareceu o professor Rômulo Menezes.