facebook jornal do sertão twitter jornal do sertaolinkedin jornal do sertaowhatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 28 de fevereiro de 2020

Cultura

O porquê do dia das crianças

Coluna Cultura

Postado em 07/10/2019 2019 09:29 , Cultura. Atualizado em 07/10/2019 09:29

Wagner Miranda Lima Escritor, músico, compositor e cineasta Fundador do grupo Matingueiros matingueiros@gmail.com

Nacionalmente comemoramos o dia da criança em 12 de outubro, mesma data da padroeira do Brasil, Nossa Senhora Aparecida. A proposta para a comemoração neste dia foi de autoria do deputado federal fluminense Galdino do Valle Filho, que depois de aprovada, tornou-se o decreto de lei Nº 4867, de 5 de novembro de 1924, instituindo esta data para celebrar os direitos da criança e do adolescente, ajudando as pessoas, principalmente os pais, a ter consciência sobre os cuidados necessários, garantindo a saúde física e psicológica dos nossos jovens. Infelizmente o dia virou apenas um momento de dar presentes, sobretudo brinquedos, em detrimento do fator mais importante, que é a reflexão sobre o que é realmente importante para a criança.

A necessidade de promover as vendas fez com que a data se tornasse mais conhecida, e o grande estouro publicitário se deu quando a fabrica de brinquedos Estrela se juntou com a também poderosa Johnson & Johnson e criaram a partir da década de 1960, a “Semana do Bebê Robusto”.

A data acabou se consagrando mais do que a própria celebração da padroeira e se desvirtuou muito da sua essência original com o advento dos brinquedos modernos, como smartphones e tablets, presentes estes que distanciam ainda mais uma geração da outra. Com a aproximação do dia 12 de outubro fica a reflexão sobre o que de fato estamos fazendo pelo bem e futuro dos pequenos. Será que não estamos de alguma forma transferindo nossas angustias e tensões do momento atual para nossos filhos ? Será que estamos promovendo o equilíbrio emocional tão necessário para o futuro deles? Tive o desprazer de ver crianças destilando ódio a determinados políticos, obviamente porque ouvem em casa, e dezenas de adolescentes que passam mais horas olhando para telas brilhantes do que para as pessoas que os ladeiam. Recomendo que os responsáveis matriculem seus filhos em cursos de arte como música e dança, e ofereçam uma verdadeira transformação em suas vidas. A prática artística promove o trabalho em conjunto, a criatividade, empatia e sobretudo a sensibilidade em lidar com as situações.  Até porque com a vida não se brinca.