facebook jornal do sertão twitter jornal do sertaolinkedin jornal do sertaowhatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 29 de setembro de 2020

Esportes

Brasil emplaca duas dobradinhas no pódio do Mundial de Dubai

No masculino vieram medalhas nos 100m T11, e no feminino nos 200m T11

Postado em 13/11/2019 2019 14:16 , Esportes. Atualizado em 13/11/2019 14:16

A primeira dobradinha brasileira hoje (13) no Mundial de Atletismo Paralímpico, em Dubai (Emirados Árabes) foi protagonizada pelo veterano Lucas Prado, nos 100m T11 (deficiências visuais) com direito a quebra de recorde na competição: ele completou o percurso em 10s95.  O carioca Felipe Gomez foi bronze, ao cruzar a  linha de chegada em 11s04, apenas um centésimo a mais que o francês Timothee Adolphe (11s03), que ficou com a prata.

Também teve dupla verde e amarela no pódio dos 200m T11 para mulheres. A potiguar Thalita Vitoria Simplício da Silva deixou escapar o segundo ouro dela no Mundial. A atleta conquistou a prata ao completar o trajeto com três centésimos a mais que a chinesa Cuiqing Liu (24s89), que levou o ouro.  A goiana Lorena Salvatini Spoladore (25s62) chegou em terceiro lugar e faturou o bronze, o segundo dela na competição.  A disputa contou ainda com a participação da brasileira Jerusa Geber, quarta colocada.

No final desta manhã, a baiana Táscitha Cruz garantiu o bronze na prova dos 100m T37 (sequelas em decorrência de paralisia cerebral) ao cruzar a linha de chega na terceira posição, com o tempo de (14s38). A vencedora foi a chinesa Yiting Shi (13s62) e a prata ficou com a argentina Yanina Andrea Martinez (14s02).

As próximas disputas com brasileiros acontecem a partir 13h15 (horario de Brasilia): Vítor de Jesus e Christian da Costas fazem a final dos 200m T37; Fernanda Yara disputa a final dos 200m T47 (deficiências membros superiores); Vinícius Rodrigues disputa a prova dos 100m T63 (amputados de membros inferiores com prótese).

Com as sete medalhas conquistadas até o momento, o Brasil permanece na vice-liderança na classificação geral, com um total de 31 (11 ouros, sete pratas, 13 bronzes). A China lidera com 46 medalhas e a Ucrânia ocupa a terceira posição com 19.

FONTE AG BRASIL