Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 18 de maio de 2024

Saúde

Imip adere ao Agosto Dourado e incentiva o aleitamento materno

Segundo estudo realizado pelo Ministério da Saúde, menos da metade das crianças menores de seis anos de vida, ou seja, 45,7%, foram amamentadas exclusivamente com leite materno

Postado em 06/08/2020 2020 11:13 , Saúde, Últimas Notícias. Atualizado em 06/08/2020 11:34

Neste mês é comemorado o Agosto Dourado, evento dedicado à proteger, promover e incentivar o aleitamento materno, criado pela Lei 13.435, em 2017, ao longo da 25ª Semana Mundial de Aleitamento Materno. Pensando na relação entre o aleitamento materno e o seu impacto positivo no meio ambiente, este ano o Agosto Dourado aborda o tema “Apoie o Aleitamento Materno por um Planeta Saudável”. No âmbito estadual, o Instituto Materno Infantil (Imip) aderiu ao Agosto Dourado, fortalecendo a importância de incentivar o aleitamento materno como forma de preservar o meio ambiente. A enfermeira do Banco do Leite Humano do Imip, Sandra Hipólito explica que o aleitamento materno beneficia o meio ambiente, reduzindo os impactos da cadeia produtiva do leite artificial.

“Os bebês amamentados exclusivamente no peito, não dependem de leite artificial, produzidos a partir do uso de conservantes, poluentes; que demandam embalagem e outros insumos. São reduzidos ainda o consumo de mamadeiras de plástico, bicos, chucas e outros objetos utilizados no consumo de leite. Além disso, o leite artificial, produzido com base no leite da vaca, demanda a criação de áreas de pasto, alimento que incentiva a produção de leite neste animal. Estas áreas são construídas por meio de práticas de desmatamento e a própria atividade agropecuária causa impactos nocivos ao meio ambiente. Bebês que não mamam adoecem mais, necessitando de um consumo maior de medicamentos industrializados, bem como utilizam bem mais estruturas de internação dos hospitais”, esclarece. Ao longo do Agosto Dourado, o Imip incentiva à doação de leite materno e atende crianças em situações graves e internadas em UTI, por meio do Banco de Leite Humano e Centro de Incentivo ao Aleitamento Materno.

“As mulheres, cujos exames realizados durante o pré-natal apresentem resultados positivos que atestem bom estado de saúde são estimuladas a doarem leite materno. Nós armazenamos adequadamente este leite, utilizando frasquinhos de café solúvel, e atendemos especialmente as crianças que se encontram em tratamento de doenças graves ou internadas em UTI”, explica.

Ainda segundo Hipólito, as mães do Sertão podem armazenar o leite materno para auxiliá-las a conciliarem o trabalho com a amamentação. “O leite materno pode ser armazenado em frascos de café solúvel por até 15 dias no congelador”, informa. As pessoas que têm interesse em colaborar com o Banco de Leite do Imip podem doar frascos de café solúvel, direto no Imip, de segunda a sexta, das 7h às 11h e das 13h às  16h. O telefone de contato é 2122 4719 e 2122 4103.

O nome Agosto Dourado foi definido pela Organização Mundial de Saúde (OMS), fazendo alusão à cor dourada do leite, alimento considerado padrão ouro para a saúde dos bebês. Os benefícios do aleitamento materno são incontáveis. Este tipo de alimento pode combater a mortalidade infantil, que possui o município de Verdejante, no Sertão de Pernambuco, como o local com a maior taxa de ocorrência 44,78%, número 30% maior do que a taxa total do estado. De acordo com a coordenadora do Banco de Leite do Imip,Vilneide Braga, também são benefícios do aleitamento materno:

  • Proteção contra à Leucemia. Crianças que mamam seis meses ou mais têm 20% menos chances de desenvolver a Leucemia, se comparadas aquelas crianças que amamentaram por menos tempo;
  • Crianças e adolescentes que foram amamentados apresentam melhor desempenho nos testes de inteligência, maior escolaridade e renda aos 30 anos;
  • Produz efeito positivo na qualidade da mastigação em pré-escolares;
  • Possui ligação com menor prevalência de sobrepeso, obesidade e diabetes tipo II;
  • Nas mulheres, a amamentação reduz o risco de ocorrência de câncer de mama, ovário e endométrio e ainda de diabetes tipo 2 e enxaqueca no 1º mês pós-parto.