Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 18 de maio de 2024

Educação

Sertão dividido em relação à volta às aulas

Educação básica segue com aulas presenciais suspensas até o dia 15 de setembro; ensino superior retoma as atividades no dia 8 de setembro; lideranças, gestores e pais discordam

Postado em 09/09/2020 2020 06:02 , Educação, Últimas Notícias. Atualizado em 08/09/2020 15:30

Escola Infantil Turma da Mônica, localizada na sede, passa por sanitização – Foto:(Ascom Sec de Educação de Solidão)

A volta às aulas é um dos assuntos mais polêmicos e mais comentados do momento. No último dia 31, o secretário Estadual de Educação, Fred Amâncio, anunciou a prorrogação da suspensão das aulas presenciais nas escolas até o dia 15 de setembro e a volta às aulas no ensino superior no dia 8 de setembro. Mesmo com as definições, os debates em torno do tema têm ganhado mais corpo e, no Sertão, a necessidade de retomada das atividades com o objetivo de evitar prejuízos para os alunos e o medo do aumento no número de casos de Covid-19, tem dividido a população. A região do Sertão possui 26 municípios distribuídos ao longo das microrregiões dos Sertões do Moxotó, Pajeú, Central, Itaparica, Araripe e Vale do São Francisco, segundo a Base de Dados de Pernambuco (BDE). No Sertão do Pajeú, a cidade de Solidão, possui 5.404 habitantes. Deste total, de acordo com dados do Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, cerca de 79,07% da população com idade entre 6 e 17 anos está cursando o ensino básico. Segundo a Secretaria Municipal de Educação, são aproximadamente 1. 200 alunos na rede municipal. Para a secretária de Educação do município, Maria Aparecida Ramos, a volta às aulas é “inviável”, diante da curva de crescimento do número de casos no município. Solidão registrou, até o último dia 26 de agosto, 89 casos de Covid-19. 

“Fizemos uma simulação de retorno das atividades com uma equipe formada por 33 funcionários dos setores administrativos das escolas, que retornaram as atividades em espaços diferentes e cumprindo uma série de medidas de segurança. Mesmo assim, após 15 dias de trabalho, contabilizamos na testagem 14 diagnósticos positivos. Todos os funcionários estão recebendo os devidos cuidados, estão afastados dos setores e, hoje, as escolas passam por um processo de sanitização. Mas, este exemplo nos mostra o quanto é alto o risco de contaminação”, alerta a secretária de Educação, Maria Aparecida Ramos.

Solidão possui cinco unidades educacionais, sendo três localizadas no meio rural e duas na sede. Uma delas é integral, o que normalmente demanda o uso de espaços comuns, a exemplo da cozinha, além de objetos como talheres e pratos, nas aulas integrais ou semi-integrais. “O ensino online traz desafios, dificuldades, mas ainda é a melhor forma de assegurarmos o cumprimento das atividades escolares, garantindo a saúde dos alunos e dos profissionais da educação e de pessoas próximas”, conclui Maria Aparecida.

As opiniões se dividem e o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de Pernambuco (Sinepe-PE) afirmou que as instituições estão “prontas para o retorno das aulas presenciais”. Já o Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe/CUT) declarou, em carta aberta à população, ser contrário ao retorno. Em nota pública, o órgão informou: “…Defendemos que nenhuma medida de retorno às aulas deve ser tomada antes que esse processo de pandemia esteja sob controle das autoridades sanitárias…”, 

Por sua vez, a Comissão de Educação da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), manifestou-se contrária à volta, após uma reunião remota com duração de três horas e participação de dez parlamentares. Sobre o assunto, o deputado Estadual e presidente da Comissão, Romário Dias declarou que “considerando o volume de cerca de 2,4 milhões de pessoas entre professores, profissionais de educação e estudantes, é grande o risco de contaminação”. 

O que pensa o sertanejo?

 

Eu acho que as aulas deveriam retornar só em 2021, pois as crianças, por exemplo, não têm maturidade para tomar os devidos cuidados contra o vírus. 

Daniele Cavalcanti 

Operadora de Caixa, Petrolina, Sertão do São Francisco 

 

Eu sou a favor que as aulas sejam retomadas, desde que sejam garantidas as medidas de segurança, como o uso da máscara, distanciamento social e o álcool e outros. 

Francisco Lopes, pequeno Empresário, Mirandiba, Sertão Central

 

Eu não concordo com a volta às aulas, pois acredito que ainda há um grande risco de aumentar o número de casos de Covid-19. 

Andreílson Santos 

Microempreendedor, Manarí, Sertão do Moxotó