Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 21 de maio de 2024

Agronegócios

La Niña pode favorecer chuvas no Sertão a partir de Março 

La Niña mexe com as chuvas do Sertão. A publicação da Agência de Meteorologia e Oceanografia dos Estados Unidos (NOAA) manteve projeção de que existe 95% de chance de um La Niña manter sua intensidade entre janeiro e março, com uma transição para neutralidade  a partir de abril. aqui no Brasil . Significa atraso nas chuvas de janeiro e fevereiro no sertão e uma melhoria a partir de março 

Postado em 14/02/2021 2021 19:59 , Agronegócios. Atualizado em 15/02/2021 10:42

Foto Arquivo da Professora Ana Rubia

Conforme a Agência de Meteorologia e Oceanografia dos Estados Unidos (NOAA), alertou em boletim atualizado, na última quinta-feira, dia 11 de fevereiro, La Niña poderá se prolongar, no oceano Pacífico, até o fim de 2021. Essa informação caso se confirme impactará o regime de chuvas do nordeste semiárido do Brasil.

De acordo com o Prof. Adjunto da Universidade Federal de Alagoas e meteorologista Humberto Barbosa, fundador e responsável pelo Laboratório de Análise e  Processamento de Imagens de Satélites (Lapis), a situação climática para o semiárido, caso se confirme a previsão de que o La Niña vai durar até o fim 2021, sem dúvidas poderá favorecer as chuvas no sertão do Nordeste do Brasil.

Humberto Barbosa. Professor Adjunto da Universidade Federal de Alagoas e Meteoroblogista

La Niña pode favorecer o  Nordeste, mas somente a partir de março .

A publicação do NOAA manteve ainda a projeção de 95% de chance de um La Niña com mais intensidade, entre janeiro e março, com uma transição para neutralidade,  a partir de abril, aqui no Brasil . Significa atraso nas chuvas de janeiro e fevereiro no sertão e uma melhoria a partir de março

As chuvas nascem nos oceanos , como explica o Prof Humberto Barbosa na sua entrevista  recente ao portal da  organização sem fins lucrativos Letras Ambientais.

”  A  região do Semiárido brasileiro, onde se pratica uma importante agricultura familiar, a previsão indica que neste mês de fevereiro, o litoral do Nordeste está com águas mais frias que o normal, o que não é favorável para as chuvas, na porção norte da região, devendo ser abaixo da média.”

“Todavia, a partir de março, a tendência é de que essa área oceânica fique com temperaturas mais neutras, o que poderá melhorar nas chuvas para o Semiárido brasileiro. ”

Há aproximadamente 60% de chance de essa  transição de La Niña para neutro, ocorra durante os meses de abril a junho deste ano 2021, segundo o ultimo relatório de atualização do NOAA para o primeiro trimestre de 2021, divulgado no dia 11 de fevereiro.

“Se o Atlântico Sul, próximo ao Nordeste brasileiro, se mantiver em situação de neutralidade, não haverá fator que interfira na tradicional influência do La Niña, em trazer mais chuvas para a região”

Humberto Barbosa ainda destaca que, além da tendência de neutralidade no Atlântico Sul, o Atlântico Norte deverá ficar mais quente, a partir de março. Dessa forma, é possível que se intensifique o chamado “Dipolo”, fenômeno que favorece as precipitações no Nordeste.

Mesmo assim, essas chuvas deverão chegar com atraso, pois a estação chuvosa no Nordeste, já deveria ter começado agora em fevereiro, de acordo com o Prof. Humberto Barbosa do Lapis.

Esse assunto foi explicado com mais detalhes, pelo Prof. Humberto Barbosa, nos posts divulgados pela Organização sem Fins Lucrativos LetrasAmbientais.org.br.