Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 19 de julho de 2021

Política

Projetos Bebedouro e Nilo Coelho respondem por 42% do valor bruto de produção da área irrigada do Sertão em 2020

Os projetos Bebedouro e Nilo Coelho, localizados em Pernambuco, foram responsáveis por 42% do Valor Bruto de Produção (VBP) da área irrigada do Sertão nordestino, no ano passado. Os dados são de relatório da Codevasf divulgado há poucos dias, que mostram aumento na produção de 16% da área, no total, em relação a 2019. O Valor Bruto de Produção nos trechos referentes aos projetos da companhia passou, de um modo geral, de R$ 3 bilhões, em 2019, para R$ 3,4 bilhões em 2020. Além disso, enquanto em 2019 foram produzidas 3,7 milhões de toneladas de itens agrícolas na região, no ano passado esse número subiu para 4,3 milhões de toneladas. O que gerou cerca de 100 mil empregos diretos e quase 150 mil empregos indiretos.

Postado em 22/03/2021 2021 10:00 , Política, Últimas Notícias. Atualizado em 22/03/2021 09:58

Imagem Codevasf

Apesar da crise econômica e da pandemia de Covid, o Sertão nordestino apresentou dados que ajudaram o Produto Interno Bruto (PIB) do País no último ano e beneficiaram milhares de famílias. Conforme balanço divulgado na última semana, em Brasília, pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) o Valor Bruto de Produção (VBP) dos projetos públicos de irrigação – que corresponde à estimativa do valor total conseguido pelos agricultores com a venda da produção agrícola – teve um aumento de R$ 3 bilhões em 2019 para R$ 4,3 bilhões em 2020.  O documento aponta que 42% desse valor partiu de dois grandes perímetros irrigados de Pernambuco: os projetos Bebedouro e Nilo Coelho.

Projetos Bebedouro e Nilo Coelho em Pernambuco tiveram o maior VBP entre todos os Estados do Sertão Nordestinos atingindo  R$ 1,7 bilhão em 2020.

Imagem Codevasf

Segundo a Gestão de Empreendimentos de Irrigação da CODEVASF , Pernambuco foi o Estado  que obteve maior volume em VBP ao longo do ano, de R$ 1,8 bilhão, nos projetos Bebedouro e Nilo Coelho. O projeto Nilo Coelho, em especial, registrou VBP de R$ 1,7 bilhão. O Bebedouro registrou VBP de R$ 65,1 milhões. O segundo lugar obtido em valor bruto de produção no Vale do São Francisco ficou com projetos de irrigação localizados em Juazeiro, na Bahia (R$ 748,8 milhões). E o terceiro com os projetos localizados em outros sete municípios baianos (R$ 396,7 milhões).  Logo abaixo vieram os projetos referentes a Minas Gerais, que apresentou VBP de R$ 383,3 milhões; os projetos do Ceará– R$ R$ 49,6 milhões e os de Alagoas  – R$ 26,9 milhões.

Imagem Codevasf

Valor bruto da produção atinge R$ 3,4 bilhões

Também foram gerados, mesmo num contexto de dificuldades globais e de demissões, perto de R$ 99.041 empregos diretos e 148.561 empregos indiretos. Em termos de empregos diretos, os projetos públicos de irrigação que geraram mais vagas foram os existentes em Juazeiro da Bahia: 31.005 vagas. Seguidos da área de Petrolina, que ocupou 23.005 vagas e da área referente aos projetos de Minas Geais, que gerou 16.830 vagas.  As demais vagas foram geradas pela Bahia (15.817), Ceará (8.333) e Alagoas (3.991). Na mesma ordem, se destacaram os empregos indiretos nesses locais.

Produção foi ampliada em 16% em 2020

Enquanto em 2019 foram produzidas 3,7 milhões de toneladas de itens agrícolas na região, no ano passado esse número subiu para 4,3 milhões de toneladas de itens diversos.  Em Petrolina, a maior produção foi de uva, manga, caju e goiaba. Minas Gerais se destacou pela produção de banana, uva, manga, limão e banana. Mas a que teve uma produção mais diversificada foi a de municípios baianos, onde foram cultivados uva, goiaba, maracujá, manga, melancia, tangerina, mamona, limão maracujá, pastagem, milho e mandioca. O Ceará foi responsável pelo aumento na produção de arroz, coco, milho verde, quiabo mandioca e acerola. Alagoas, por cana-de-açúcar, arroz e banana. E o pólo de Juazeiro, por manga, uva, coco, cebola, melão e cana-de-açúcar.

Imagem Codevasf

Pandemia impulsiona crescimento da produção

“Com a pandemia, as pessoas passaram a consumir mais alimentos em casa, o que representou uma oportunidade para os agricultores, que continuaram produzindo para atender a essa demanda do mercado”, explicou o diretor de Gestão de Empreendimentos de Irrigação da Codevasf, Napoleão Casado, que coordenou o trabalho. De acordo com os técnicos responsáveis pelo levantamento, esses números são positivos ao constatar aumento da produção e da produtividade agrícola. Bem como maior oferta de alimentos à população, ampliação de empregos e geração de renda estável, seja na zona rural ou na urbana do Sertão, mesmo apesar de 2020 ter sido um ano de tantas dificuldades. 

Imagem Codevasf

Quase 11 mil agricultores familiares beneficiados

 Conforme esse balanço técnico, em 2020 foram cultivados 99 mil hectares de área em todos esses projetos – o que favoreceu 12.091 produtores. Desses, a grande parte, ou 10.828 são agricultores familiares. O carro-chefe da produção continuou sendo a fruticultura irrigada, com destaque para uva, manga e banana, principais culturas do Vale do São Francisco.

Imagem Codevasf

Produção animal destacou peixes, leite, carne e camarão

Já em relação à produção animal, os projetos públicos de irrigação implantados pela Codevasf alcançaram uma produção de 7,2 mil toneladas, incluindo peixes, leite, carne e camarão, em uma área produtiva de 1.485 hectares.

Recursos saíram de programas existentes e do Orçamento

Em Pernambuco especificamente, o investimento da companhia em 2020 foi de cerca de R$ 350 milhões, em 60 municípios do Estado, que possuem população totalizada em quase 2,5 milhões de pessoas. Apesar do estado de calamidade vigente no País no ano passado – que norteou o trabalho de vários ministérios do Executivo e reduziu verbas –os recursos conseguiram sair de programas já em execução por parte do Governo Federal e de valores do Orçamento Geral da União (OGU) repassados por meio de emendas parlamentares aprovadas em 2019.

Imagem Codevasf

Investimento nos Arranjos Produtivos Locais .

Somente em relação aos Arranjos Produtivos Locais foram investidos nos municípios do Estado, ao longo do ano, mais de R$ 3 milhões em ações como entrega de caminhão para apoio a beneficiamento de frutas e produção de polpas, aquisição de equipamentos apícolas e elaboração de projeto de abatedouro de aves. Tudo isso foi considerado vetor importante para esse incremento da produção.

Imagem Codevasf

Apicultura: um néctar de oportunidades

Um desses exemplos, conforme contou o chefe de desenvolvimento territorial da Codevasf em Pernambuco, Wellington Dias, foi observado no apoio à apicultura. A companhia entregou várias ferramentas para os apicultores em 2020 “Entre dezembro de 2020 e janeiro de 2021, recebemos 300 novos kits como continuidade desse trabalho, que já foram entregues no município de Triunfo e em breve chegarão aos demais”, afirmou. São resultados que mostram que o Sertão continua sendo um celeiro de fertilidade e de grandes oportunidades.