Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 25 de outubro de 2021

Esportes

Em 15 anos, o futebol sertanejo evoluiu bem

Nesse período, as equipes do Sertão passaram de meros coadjuvantes a verdadeiros protagonistas em Pernambuco

Postado em 04/04/2021 2021 08:47 , Esportes. Atualizado em 04/04/2021 11:47

Jornalista , Editor Antônio José em Esportes

 

Jogadores e comissão técnica do Salgueiro comemoraram bastante o título do Estadual Foto: Alexandre Gondim/JC Imagem

Nesses 15 anos de estrada, o Jornal do Sertão acompanhou de perto a evolução do futebol do Sertão pernambucano. De lá pra cá, as equipes sertanejas passaram de meros coadjuvantes a verdadeiros protagonistas. Claro que toda essa história se confunde com a do Salgueiro. Basta lembrar que, a partir de 2008, o Carcará foi cinco vezes quarto colocado no Campeonato Pernambucano; duas vezes terceiro; duas vezes segundo; e, no ano passado, conquistou o tão sonhado título estadual. Já o Afogados, conseguiu um terceiro lugar, em 2019; e um quarto no ano passado. 

O título do Salgueiro vai ficar para sempre na cabeça dos torcedores. Afinal, foi o primeiro para uma equipe do interior do Estado. Além disso, desde 1945, apenas Sport, Náutico e Santa Cruz conquistavam a competição. Ou seja, um tabu foi quebrado para alegria dos sertanejos.

Além disso, o técnico português Daniel Neri, contratado em abril de 2019, recolocou o Salgueiro no posto de principal clube do interior de Pernambuco. Por conta do sucesso no trabalho, ele também passou a ser conhecido como o Mister do Sertão, em referência ao também português Jorge Jesus, ex-técnico do Flamengo. Por tudo isso, torcemos para que o futebol sertanejo evolua ainda mais e que outras equipes da região sigam o mesmo voo do Carcará

 Torcemos para que o futebol sertanejo evolua ainda mais daqui pra frente

Covid-19 ataca até o futebol

O ano de 2020 também ficou marcado por conta da Covid-19. Depois da paralisação de quatro meses, Salgueiro e Afogados tiveram que se readequar à nova realidade. Além de jogos com os estádios vazios, os times foram obrigados a seguir protocolos de segurança. Mesmo assim, no Carcará, houve oito casos de contaminação. Já na Coruja, foram nove, incluindo o técnico Higor César.

Os jogos de futebol passaram a ser realizados sem a presença do público. Foto: Reprodução

Subida histórica, mas...

No dia 17 de outubro de 2010, o Salgueiro conquistou o tão sonhado acesso à Série B do Campeonato Brasileiro, após vencer o Paysandu, de virada, pelo placar de 3×2, em pleno estádio da Curuzu, completamente lotado. Foi o Salgueirazzo! Pena que, em 2011, o Carcará, com problemas no Cornélio de Barros, teve que mandar os seus jogos no Ademir Cunha, em Paulista, no Grande Recife. Ou seja, bem longe de casa. Resultado: caiu de novo para a Terceirona.  

Heroicamente, Carcará despachou o Papão em 2010 – Foto: Marcelo Seabra/O Liberal

Coruja na Copa do Brasil

O Afogados também fez história em 2020 ao desclassificar o Atlético/MG pela segunda fase de Copa do Brasil. O Galo era o favorito, mas não confirmou o status e foi derrotado pela Coruja (que não completou nem o sétimo ano de vida). No tempo normal, empate por 2×2. Já nos pênaltis, após 18 cobranças, melhor para os donos da casa sertanejos que comemoraram a classificação inédita e ainda colocaram R$ 1,5 milhão nos cofres.

Buzinas proibidas na final do Estadual de 2017 – Foto: Emerson Rocha

Buzina é com Tarcísio

Se o Sport tinha o torcedor símbolo Zé do Rádio para azucrinar a cabeça dos técnicos adversários com o alto volume do seu potente rádio, o Sertão pernambucano também pode ter orgulho de outro nome: Tarcísio da Buzina. Torcedor do Carcará, ele encheu tanto o saco do então técnico do Sport Falcão, que acabou sendo proibido de acompanhar a final do Estadual de 2017 no Cornélio de Barros. Uma pena!

JS Esportes