Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 22 de outubro de 2021

Educação

No Sertão de Pernambuco, rede municipal de ensino e escolas particulares se preparam para volta às aulas presenciais

Um dos segmentos que mais teve que se adequar com a pandemia do novo coronavírus, sem dúvida, foi a educação. Aulas presenciais foram substituídas por aulas remotas e o contato entre alunos e professores substituídos pela tela do computador e do celular. Com o novo plano de flexibilização de Pernambuco, as escolas particulares puderam retomar as aulas presenciais nesta segunda-feira. O Jornal do Sertão ouviu com a psicopedagoga e gestora de uma escola particular em Petrolina, Andréa Santana, sobre a retomada das aulas e o impacto da pandemia na adaptação das crianças na volta à escola. As secretarias municipais de Educação de Salgueiro, Lagoa Grande, Dormentes, Petrolina e Serra Talhada iniciam a preparação para a volta às aulas e os cuidados com a proteção sanitária nesse momento em que não se pode dar chance ao perigo de contaminação. Todos são unânimes em afirmar que o convívio social estimula o aprendizado. A rede Estadual de Ensino só retorna daqui a duas semanas.

Postado em 05/04/2021 2021 19:03 , Educação. Atualizado em 06/04/2021 14:57

Jornalista , Editor Antônio José em Educação

 

Criança vendo aula no computador . Foto: Getty Images

As mudanças que a pandemia do novo coronavírus trouxe para a sociedade foram significativas em diversos aspectos econômicos e sociais. A educação é um dos maiores exemplos, uma vez que, com a necessidade do isolamento social para a contenção do vírus, escolas precisaram ser fechadas e as aulas presenciais foram substituídas por aulas remotas. Alunos de educação infantil, Ensino Fundamental, Médio, Superior tiveram que se adequar à modalidade de ensino remoto.

No último mês de Novembro, cerca de oito meses após o fechamento, o Governo de Pernambuco autorizou que escolas particulares retornassem às aulas presenciais de maneira híbrida, com 50% da capacidade de alunos, uso de máscaras, distanciamento social e protocolos de biossegurança.   Em fevereiro de 2021, as instituições voltaram a reabrir, porém, no mês de março, com o aumento de casos do coronavírus no Estado, um novo decreto foi publicado e as escolas voltaram a ser fechadas, sendo autorizadas a retomar com a Educação Infantil e primeiros anos do Ensino Fundamental nesta segunda-feira (5). 

Com todas estas incertezas e mudanças na dinâmica das escolas, relações familiares  e de trabalho, a adaptação de crianças e adolescentes  nas escolas tem encontrado dificuldades, como comenta a psicopedagoga e diretora de uma escola particular de Petrolina, Andréa Santana. 

Andréa Santana, psicopedagoga e diretora de escola particular em Petrolina. Foto: Arquivo Pessoal

“No início do ano, quando fomos autorizados a retornar, nós percebemos a defasagem no aprendizado de grande parte das crianças. Isso porque algumas delas não tiveram o acompanhamento das aulas remotas de forma estruturada, seja por questões de trabalho dos pais, questões econômicas, de saúde… E isso impactou diretamente no aprendizado. Muito tempo nas telas, televisão, jogos, sem contato social com os coleguinhas, tudo isso trouxe problemas que ficaram bem nítidos para nós, profissionais de educação”, explicou Andréa.

Um trabalho redobrado para pais, professores e alunos 

A diretora afirma que o trabalho dos profissionais que lidam com crianças e adolescentes terá que ser redobrado, pois, além das qualificações educacionais, os profissionais deverão ser sensíveis ao momento que a pandemia pede.  “Além de qualificação no ensino, os professores e demais profissionais terão que ter um olhar diferenciado, sensível, para perceber como cada aluno se desenvolveu ou deixou de se desenvolver, afinal a criança é um reflexo de tudo aquilo que recebeu em casa durante o isolamento social, que não foi fácil para ninguém”, destacou.

REDE MUNICIPAL DE ENSINO

 A rede municipal de ensino foi autorizada a retornar a partir do próximo dia 26 de abril, porém, de acordo com o Secretário de Educação e Esportes do Estado, Marcelo Barros, a decisão fica a critério de cada município de como se dará esse retorno.  Salgueiro, no Sertão Central, está com o cronograma para que os estudantes do 6º ao 9º ano voltem no mês de maio, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA); em junho, previsto o retorno do 1º ao 5º ano, e finalmente, depois do recesso, a volta da educação infantil, todos na forma de ensino híbrido.

Secretario de Educação e Esportes do Estado, Marcelo Barros, sobre retorno gradual das aulas – Foto: Heudes Regis / SEI

Em Lagoa Grande, Sertão do São Francisco, a secretaria de Educação irá se reunir ainda esta semana para divulgar o cronograma de retomada. Por ora, o município está se preocupando em montar a estrutura necessária dos protocolos de biossegurança em todas as unidades de ensino. O mesmo vale para o município de Dormentes.  Petrolina informou que continuará as aulas de forma remota e também está em fase de preparação para o retorno presencial  da rede municipal, porém, ainda não há data definida. No Sertão do Pajeú, Serra Talhada também ainda não possui um cronograma definido para a volta às aulas presenciais da rede municipal.

REDE ESTADUAL DE ENSINO

O retorno dos alunos da rede pública estadual de ensino começará daqui a duas semanas, em 19 de abril. Neste dia será a vez dos alunos do 3º ano do Ensino Médio, do Médio integrado à educação profissional e Educação de Jovens e Adultos, na modalidade médio. Neste dia também voltarão alunos dos anos iniciais do Ensino Fundamental e Ensino Infantil.

A partir de 26 de abril, a volta está marcada para o 2º ano do Ensino Médio, anos finais do Ensino Fundamental (8º e 9º anos) e Educação de Jovens e Adultos na modalidade fundamental.

No dia 3 de maio, retornam às aulas as turmas restantes: os alunos do 1º ano do Ensino Médio e dos anos finais do Ensino Fundamental (6º e 7º anos), além dos adolescentes no ensino de instituições de medidas socioeducativas.