Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de julho de 2021

Cidades

Durante vacinação contra o coronavírus, municípios do Sertão de Pernambuco arrecadam alimentos para quem passa por dificuldades

Municípios do Sertão de Pernambuco têm iniciado a campanha “Vacinação Solidária”, que arrecada kgs de alimentos não perecíveis nos pontos de vacinação contra o novo coronavírus. Santa Maria da Boa Vista e Petrolina, no Sertão do São Francisco e Salgueiro, no Sertão Central, têm sido exemplos de solidariedade para auxiliar quem está passando por dificuldades na Pandemia.

Postado em 09/04/2021 2021 19:14 , Cidades. Atualizado em 09/04/2021 19:13

Jornalista , Editor Antônio José em Cidades

Foto: Ascom Transforma Petrolina

A pandemia do novo coronavírus tem afetado a sociedade de diversas maneiras desde março do ano passado. Com medidas restritivas, muitas pessoas acabaram perdendo seus empregos e assim, a situação de vulnerabilidade social aumentou no país.

Pensando nisso, alguns municípios do Sertão de Pernambuco têm realizado uma ação chamada “Vacinação Solidária”, que consiste na doação de alimentos não perecíveis por quem está indo se vacinar.

Salgueiro, no Sertão Central, iniciou a vacinação solidária no último dia 31 de março, em todos os pontos de drive-thru pensando na segurança alimentar dos salgueirenses que estão passando por dificuldades, além de arrecadar também itens de higiene pessoal. Somente no primeiro dia, 284 kits foram montados pela Secretaria de Assistência Social do município.

Foto: Ascom PMS

Outro  exemplo é a cidade de Santa Maria da Boa Vista, no Sertão do São Francisco. A campanha iniciou nesta quinta-feira (8) e a expectativa do prefeito, George Duarte, é auxiliar aos mais necessitados. “Sabemos o quanto a pandemia vem impactando a vida dos boavistanos. O poder público vem agindo para diminuir o sofrimento e a pobreza em nosso município, mas contar também com a contribuição da população ampliará ainda mais a nossa atuação. O projeto “Vacina Solidária” está presente nos locais de imunização de Santa Maria e peço a todos que, se possível, contribuam com 1 kg de alimento não-perecível no momento da aplicação. Com união e seriedade, conseguiremos superar essa pandemia”, destacou.

Foto: Divulgação Redes Sociais

Quem também aderiu à Vacinação Solidária foi o Transforma Petrolina. Segundo a coordenadora do Transforma Petrolina, Lara Secchi Coelho, o aumento do número de pessoas que ficaram sem fonte de renda, devido a segunda onda da pandemia, impulsionou a campanha. “Recebemos muitas solicitações de pessoas que estão passando necessidade e resolvemos realizar essa ação unindo duas coisas positivas contra esta doença: a vacinação e a solidariedade. Acredito que quem for se vacinar e fizer a doação estará compartilhando a alegria e a esperança em dias melhores”, explica a coordenadora.  Somente nesta quinta-feira (8), primeiro dia de doações, foram arrecadados 284 kgs de alimentos.

A arrecadação acontecerá em quatro pontos fixos (Centro de Convivência do Idoso Mimi Cruz, Escola Nossa Senhora Rainha dos Anjos/CAIC, SESI e IGEPREV) e em dois drive-thru (Avenida da Integração e no estacionamento interno da Justiça Federal), das 8h às 17h, na quinta (8) e sexta-feira (9). Os interessados em participar da campanha que não fazem parte da faixa etária de imunização, também podem deixar os alimentos na sede do Transforma Petrolina, localizada no Parque Municipal Josepha Coelho, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. 

Foto: Ascom Transforma Petrolina

Inclusive, os voluntários que se interessarem, a “Vacinação Solidária” também precisará de voluntários para logística, montagem de cestas básicas e divulgação. Quem tiver interesse precisa se cadastrar no site www.transformapetrolina.com.br.

O Inquérito Nacional sobre Insegurança Alimentar no Contexto da Pandemia da Covid-19 no Brasil, realizado pela Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), indica que nos últimos meses do ano passado 19 milhões de brasileiros passaram fome e mais da metade dos domicílios no país enfrentou algum grau de insegurança alimentar.