Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 21 de junho de 2021

Agronegócios

Alimento animal, um grande negócio por Geraldo Eugênio

Logo se viu que para serem mais produtivos os animais necessitavam de cuidado, proteção, alimento e água. Sem esses componentes não vinha o leite esperado ou o iogurte, o queijo, o bife ou a pele. Foi daí que se chegou a conclusão que animal bom é animal sadio, bem alimentado e de boa genética. Nasceu aí uma área específica do conhecimento humano, a ciência animal, conhecida entre nós como zootecnia, a cada dia mais valorizada. Há um outro componente a se considerar, no caso dos nossos Sertões, que é a relação entre o homem e o animal. Quando o rebanho é quase parte da família.

Postado em 15/04/2021 2021 11:25 , Agronegócios. Atualizado em 15/04/2021 11:25

Colunista

Geraldo Eugênio Eng. Agrônomo e pesquisador do IPA

Fábricas de carne, leite e ovos

Os animais produtivos foram domesticados há milhares de anos. Sempre com propósitos definidos. Inicialmente o cavalo era criado pelas tribos da Ásia Central visando a carne e o leite. Tempos depois viram que para locomover-se rápido não havia nada igual e passou um animal de montaria, embora em algumas regiões continue sendo produtor de carne. No caso dos jumentos, carne e leite. Já o bovino, sempre foi visto como produtor de leite, carne e pele, o mesmo se aplicando ao caprino e e ao ovino. Já a galinha se tornou a grande provedora de carne e ovos.

O que faz um animal ser produtivo

Logo se viu que para serem mais produtivos os animais necessitavam de cuidado, proteção, alimento e água. Sem esses componentes não vinha o leite esperado ou o iogurte, o queijo, o bife ou a pele. Foi daí que se chegou a conclusão que animal bom é animal sadio, bem alimentado e de boa genética. Nasceu aí uma área específica do conhecimento humano, a ciência animal, conhecida entre nós como zootecnia, a cada dia mais valorizada. Há um outro componente a se considerar, no caso dos nossos Sertões, que é a relação entre o homem e o animal. Quando o rebanho é quase parte da família.



E lá vem a seca tentando se aproximar, novamente

Para perturbar a harmonia, lá vem nossa irmã inconveniente, prometendo chuvas tardias, irregulares e pouco água. Isto bate fundo e nosso criador fará de tudo para manter seus animais ´de estimação´, inclusive investindo sem sequer fazer uma simples conta, na compra de feno, silagem, palma forrageira e concentrado.

Um novo negócio agrícola

Isto fez com que alguns bons observadores chegassem a conclusão que tão importante quanto contar com os animais é produzir alimento para eles. Desde o período anterior de secas, entre 2012 e 2018, algumas desses segmentos organizaram-se. O do milho para silagem com espiga ou não passou a ser popular em áreas irrigadas bem como o grão e o farelo de milho na ração das vacas em lactação e na avicultura. Vive-se um momento estranho, quando a saca desse cereal chega próximo a cem Reais. 

Uma outra espécie tornou-se um objeto de compra e venda, a palma forrageira. Não sendo a toa que um hectare de palma, com dois anos, é comercializado a dez mil reais o hectare. Esta é a cotação vigente no Agreste e Sertão pernambucano. Chega-se a conclusão que a pecuária sertaneja também passa por um processo de segmentação em áreas distintas como genética, sanidade, insumos, sanidade e alimento. Ainda há muito o que se avançar, mas a compra de alimento se tornou algo comum para os pecuaristas e avicultores regionais e a cada dia consolida-se como um bom negócio para o Agreste e para o Sertão do estado.

Quem é Geraldo Eugênio: Engenheiro Agronômo, com mestrado na Índia e doutorado e pós-doutorado nos na Texas A&M University, Estados Unidos, é pesquisador do IPA e colaborador da empresa Inovate Consultoria & Projetos Ltda. Foi secretário de agricultura de Pernambuco, Presidente do IPA, do ITEP e Diretor Executivo da Embrapa. Viveu parte de sua vida em Serra Talhada, dedicando-se à agricultura de sequeiro e no Vale do São Francisco, quando liderou o programa de Hortaliças, do IPA. Atualmente tem acompanhado de forma direta políticas, tecnologias e iniciativas de gestão de secas, no Brasil e no exterior. Considera essencial entender melhor o Sertão, visualizando-o como um grande ambiente de negócios e sucesso.