Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de outubro de 2021

Política

Municípios do Sertão entram no programa de cidades conectadas do Governo Federal 

Na primeira fase do programa já está inclusa a cidade de Bodocó, no Sertão do Araripe. A segunda etapa do programa, conforme informações do Ministério da Economia, prevê atendimento a outros quatro municípios do Sertão: Sertânia, no Sertão do Moxotó, São José do Belmonte e Tabira no Sertão do Pajeú e Mirandiba, no Sertão Central. De acordo com o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, a digitalização do governo é uma prioridade e norte para o novo Estado brasileiro. “A transformação digital não é apenas o resultado concreto da transformação dos serviços que temos, mas  muda completamente a forma de pensar os serviços públicos”, disse ele. Os investimentos buscam aumentar conectividade dos municípios, inclusive com pontos de acesso livre à internet nos espaços públicos. Parceria firmada no último dia 20 de Abril entre o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Governo Federal vai permitir o lançamento de nova linha de crédito voltada para cidades brasileiras. 

Postado em 03/05/2021 2021 08:08 , Política. Atualizado em 03/05/2021 09:17

Jornalista , Editor Antônio José em Política

 

Mapa de Bodocó no programa Cidades Digitais Crédito: Divulgação/ Ministério das Comunicações

Estar mais digitalizado é, hoje, uma obrigação de todos os municípios, para a qual os governos precisam ficar atentos. Por conta disso, têm avançado os programas voltados para o setor, do Governo Federal, em parceria com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID). No final de abril, o BID anunciou uma nova linha de crédito para ampliar a conectividade das cidades brasileiras. Hoje, o programa já beneficia 176 cidades, das quais 42% desse total localizadas no Nordeste – sendo uma delas no Sertão pernambucano, no município de Bodocó, no Sertão do Araripe. Outros quatro municípios do Sertão do estado estão previstos para ser alvo da segunda etapa do trabalho, a partir dos próximos meses: Sertânia, no Sertão do Moxotó; São José do Belmonte e Tabira, no Sertão do Pajeú; e Mirandiba, no Sertão Central.  Os recursos, na verdade, darão continuidade a programas já existentes, em especial o ‘Cidades Digitais’, que beneficiou de 2016 até agora 176 municípios em todo o Brasil.

 

Espaços públicos com Wi Fi gratuito Crédito: Divulgação/ Ministério do Desenvolvimento Regional

Linha do BID para conectividade tem propósito de ampliar tecnologia para serviços públicos

Conforme informações dos ministérios da Economia e das Comunicações, os municípios que estão sendo atendidos atualmente fazem parte do programa Cidades Digitais, da pasta das Comunicações. Já a linha que está sendo criada em parceria com o BID, que atuará em paralelo com o mesmo propósito de ampliar e melhorar a conectividade, é intitulada “Brasil Mais Digital”. A ideia é contribuir para a adoção de tecnologias pelo setor privado e a formação de talentos, além de modernizar os serviços públicos. Os recursos serão disponibilizados tanto para o Governo Federal como também para governos estaduais e municipais e bancos de desenvolvimento, sejam estes nacionais ou regionais. Neste último caso, para permitir o acesso a pequenas e médias empresas. 

 

Linha do BID vai financiar de infraestrutura digital a cursos de captação por governos

Conforme explicou o representante do BID no Brasil, Morgan Doyle, os empréstimos terão prazo de amortização de 25 anos, com cinco anos e meio de carência. A linha de crédito será instrumento estratégico para o financiamento de iniciativas ligadas ao desenvolvimento de quatro setores: infraestrutura digital; economia digital; governo digital e fatores de capacitação (tais como alfabetização digital e ações de segurança cibernética).

 

Luis Felipe Monteiro, Secretário de Governo Digital do Ministério da Economia Crédito: Divulgação/ Ministério da Economia

Para secretário, transformação digital muda forma de pensar de servidores públicos e gestores

De acordo com o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, a digitalização do governo é uma prioridade e norte para o novo Estado brasileiro. “A transformação digital não é apenas o resultado concreto da transformação de  serviços que temos. Ela muda completamente a forma de pensar dos servidores públicos e a forma de pensar dos gestores governamentais. Faz com que a inovação e a velocidade, a agilidade na entrega de serviços se torne parte da rotina e cria uma espiral positiva de serviços melhores e políticas públicas mais cidadãs”, afirmou. 

Dados do Ministério da Economia mostram que, desde janeiro de 2019, 1.278 serviços do Governo Federal foram oferecidos também em formato on-line. A economia de recursos com a digitalização desses serviços já é de R$ 2,2 bilhões por ano – R$ 1,7 bilhão para a população e aproximadamente R$ 540 milhões para o governo.

 

Celular com Wi Fi liberado Crédito: Divulgação/ Pond 5

Programa Cidades Digitais busca modernização de gestões

É nesse contexto que se insere o programa intitulado ‘Cidades Digitais’. Num âmbito mais interiorizado, o programa promove a inclusão dos órgãos públicos das prefeituras no mundo da tecnologia da informação, como forma de modernizar gestões, ampliar o acesso aos serviços públicos e promover o desenvolvimento dos municípios brasileiros por meio da tecnologia. Na prática, esses programas atuam na construção de redes de fibra óptica que interligam os órgãos públicos locais; disponibilização de aplicativos de governo eletrônico para as prefeituras; capacitação de servidores municipais para uso e gestão da rede e oferta de pontos de acesso público à internet para uso livre e gratuito em espaços públicos de grande circulação, tais como praças, parques e rodoviárias. 



O processo de escolha dos primeiros a serem objeto destes benefícios é feito nos ministérios de Economia e das Comunicações por um processo seletivo que leva em conta a população, espaços públicos, situação econômica do comércio e necessidades de serviços essenciais como escolas e hospitais. As prefeituras podem obter maiores informações sobre esse trabalho a partir de contatos com a Secretaria de Governo Digital do Ministério da Economia.