Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de setembro de 2021

Política

Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos

A busca por tratamentos à base de medicamentos fitoterápicos e plantas medicinais para a prevenção e cura de várias doenças vem crescendo no Brasil e no mundo. O uso de recursos naturais é uma das mais antigas formas de prática medicinal da humanidade. Em geral, os medicamentos naturais são produzidos a partir de plantas frescas ou secas, sendo utilizados em forma de comprimidos, cremes, géis, pomadas ou xaropes. São indicados, por exemplo, para o tratamento de várias enfermidades, como artrite, gripe, problemas ginecológicos, entre outras.

Postado em 21/05/2021 2021 17:21 , Política. Atualizado em 21/05/2021 17:21

Colunista

Especialista em Gestão Pública, Aluísio Sampaio escreve quinzenalmente a coluna “Políticas Públicas”,

Diante disso, foi criada em 2006, pelo Governo Federal, a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos (PNPMF), por meio do Decreto nº 5.813. O objetivo da PNPMF é garantir à população brasileira o acesso seguro e o uso racional de plantas medicinais e fitoterápicos, promovendo o uso sustentável da biodiversidade, o fortalecimento da agricultura familiar e o desenvolvimento tecnológico e industrial da saúde. De acordo com o Ministério da Saúde, essa política pública beneficia anualmente cerca de 12 mil pessoas. Atualmente, o Sistema Único de Saúde (SUS), oferta 12 medicamentos fitoterápicos. Entre eles, estão a Espinheira Santa, o Guaco e a Isoflavona de Soja, para o tratamento de problemas respiratórios, gastrite, úlcera e sintomas do climatério. Entre o período de 2013 e 2015, a busca por medicamentos naturais pelo SUS, mais que dobrou, o crescimento foi de 161%.

Em Afogados da Ingazeira 2ª  Farmácia no Contexto  da Assistência Farmacêutica Nacional

 Em 2010, o Ministério da Saúde, no âmbito do SUS, mediante a Portaria MS/GM nº 886/2010, instituiu a “Farmácia Viva”, um modelo de farmácia no contexto da Assistência Farmacêutica Nacional. Originalmente proposto e denominado pelo Farmacêutico-Químico, Francisco José de Abreu Matos, a Farmácia Viva compreende “todas as etapas, desde o cultivo, a coleta, o processamento, o armazenamento de plantas medicinais, a manipulação e a dispensação de preparações magistrais e oficinais de plantas medicinais e fitoterápicos”.Em Pernambuco, no município de Afogados da Ingazeira, com uma população de 37.404 habitantes, situado na Região do Sertão do Pajeú, segundo principal centro comercial da região e distante 379 km da capital, Recife, foi implantado pela Prefeitura em 2020, por meio da Secretaria de Saúde, uma Farmácia Viva.Pioneira na região, é motivo de muito orgulho para a cidade. 

 

Sistema de Produção e Distribuição dos  Medicamentos Fitoterápicos

Seu funcionamento ocorre da seguinte maneira: o governo municipal coordena todas as etapas do processo, desde o plantio das plantas medicinais na sementeira, passando pela manipulação dos princípios ativos das plantas em laboratório, a transformação em medicamentos, até a chegada dos produtos às prateleiras da Farmácia Viva, localizada na região central do município. São produzidos lambedores, pomadas, sabonetes, tinturas e xaropes, com diversas plantas, como alecrim, aroeira, mastruz, entre outras, com distribuição gratuita dos medicamentos à população é feita mediante receita médica pela rede municipal de saúde.Uma iniciativa importante, que contribui bastante para o abastecimento da Assistência Farmacêutica do SUS, na prevenção e tratamento de doenças, sobretudo, na redução dos gastos com medicamentos, principalmente para a população mais carente, proporcionando uma melhor qualidade de vida.

 

Quem é Aluísio Sampaio:Sertanejo Pernambucano, da Capital do Vaqueiro, Serrita, é Mestre em Dinâmicas de Desenvolvimento do Semiárido pela Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF). Especialista em Gestão Pública Municipal e Saúde, também pela UNIVASF. Possui extensão em Empreendedorismo pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), e Inovação e Difusão Tecnológica pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Graduado em Computação pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), e Administração, pela Universidade Norte do Paraná (UNOPAR). Técnico em Recursos Humanos pela Escola Técnica Estadual Professor Antônio Carlos Gomes da Costa (ETEPAC), e Logística pela Escola Técnica Estadual Professor Agamemnon Magalhães (ETEPAM). Entusiasta do desenvolvimento econômico, social e ambiental. Instagram: @aluisio_sampaio