Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de setembro de 2021

Bem Estar

É Saudável Dizer Não aos Filhos? Por Daniel Lima

A criação de limites é extremamente disciplinar na educação das crianças, e evita complicações quando os mesmos forem adultos.

Postado em 09/06/2021 2021 14:28 , Bem Estar. Atualizado em 13/06/2021 12:03

Colunista

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN. @daniellima.pe

Para muitos pais, dizer “não,” é uma tarefa difícil, mas é extremamente importante para o desenvolvimento da criança ouvir esta pequena palavra. Disciplinar a criança em casa sempre que necessário evita que ela sofra ao ser repreendida pelo mundo. Por mais difícil que pareça dizer não para os filhos,  é necessário e ajuda a evitar complicações sérias na vida dos pequenos, agora e quando forem adultos. 

Importância de Limites na Educação

A mestra em educação e filósofa, Tânia Zagury, explica que “quando desde pequeno, não se ensina ao filho que há coisas que ele pode fazer e outras não, ele se tornará uma pessoa que não compreende a sociedade”. Crianças que não têm o costume de ouvir “não,” podem desenvolver um comportamento exigente, temperamental e até exibir dificuldades de relacionamento.

Não faça a Infelicidade de seu Filho

Em 1762 o filósofo Jean-Jacques Rousseau no livro “Emílio ou Da Educação” disse: “sabe qual é a maneira mais certa de deixar seu filho infeliz? Acostumá-lo a receber tudo.” Segundo Rousseau, se você der tudo a uma criança, seus desejos só farão crescer devido à facilidade em satisfazê-los e ela terá de lidar com sua própria ansiedade, com sua tirania e,  com a decepção do pai se zem algum momento parar de atendê-lo, já que satisfazer tudo é impossível, pois “são sentimentos muito mais difíceis de administrar para uma criança, e que causam mais dor do que simplesmente ter um desejo negado”, conclui Rousseau.



Imposição de Limites é necessário

Ao proferir três palestras sobre odizer não o pediatra, psiquiatra e psicanalista infantil Dr. Donald W. Winnicott demonstra sua sensibilidade no trato com crianças e seus pais, deixando claro que existe uma necessidade de os pais saberem impor limites aos filhos, pois até então os pais oferecem proteção incondicional ao bebê. Winnicott via esse “não” como a noção de confiança que aos poucos é assimilado pelo bebê, de modo que a criança ao perceber que a mãe sobrevive aos seus ataques e pode continuar a lhe dizer não, fica mais tranquila. Sendo assim, dizer não é ajudar os filhos a fazerem distinção entre o eu e o outro. Ao dizermos “não” para a criança estamos expressando para ela o nosso desejo: “eu não quero que você faça isso…” Existe um ditado popular que diz: “criança não tem querer”. Isso porque o limite delas é o querer dos pais. Todavia, nunca devemos dizer “não pode”, porque logo ela perceberá que pode. Por esta razão o limite é o desejo de quem cuida e este desejo para a criança está acima da lei: “eu não quero que você mexa aqui. Por que não quer? Porque não quero!”.  Entretanto, o desejo dos pais não é autoritário! O autoritarismo seria algo assim: “vá tomar banho e se chorar apanha”.

 

A Importância da Autoestima.

Agindo com autoritarismo não estamos permitindo que o sistema límbico da criança entre em ação. O sistema límbico (região no cérebro constituída principalmente de neurônios) é a unidade responsável pelas emoções e comportamentos sociais. Quando o sistema límbico faz a sua volta completa (começo, meio e fim) ele cria um mecanismo que a natureza não nos dá, só o psiquismo dá. Se chama autoestima. E o que é autoestima? Autoestima é a possibilidade ética de gostar de si mesmo. Logo, a pessoa sem autoestima procura na estética um jeito de gostar de si. Por isso nosso país é recordista em implantação de silicones em adolescentes de 14 e 15 anos porque não gostam do nariz, dos lábios, orelha… Ao fazerem tudo no lugar dos filhos ou sendo permissivos demais, os pais promovem nas crianças um descrédito na sua própria capacidade. Em outras palavras, autoestima é o julgamento; a apreciação que cada um faz de si mesmo; sua capacidade de gostar de si.

 

Não Confundir  Frustração com Sofrimento

Além de seres psíquicos, somos também seres biológicos, e é o córtex pré-frontal que nos dá, ou não, o juízo crítico. Quando funciona? Na frustração. O limite é a frustação, a criança. Daí o juízo crítico dá a capacidade de parar de fazer mal a si e para o outro. Nós erramos porque confundimos frustração com sofrimento. Os estudos mais recentes na neurologia, neurociência, psicologia e psicanálise comprovam que frustração é um bem, pois suportar a frustração gera crescimento. Sendo assim, dizer não pelo desejo dos pais não é autoritarismo é saúde mental!

Geração Mais Mimada da História

O historiador brasileiro Leandro Karnal diz que esta é “a geração mais mimada da história”. Segundo ele, faltam marcos positivos, como a ausência de castigos físicos, e alerta para aspectos importantes: a ausência de limites e o fato dos pais cederem sempre, “à manha e ao mimo”. Quando dizemos não para uma criança “eu não quero que você mexa aqui estamos acionando o sistema límbico dela e este sistema gera nela a raiva. Às vezes não conseguimos suportar a raiva dos nossos filhos porque gera culpa em nós, ou às vezes estamos cansados porque passamos o dia todo suportando a raiva do patrão, clientes… e em casa vem o filho de 4 anos fazendo birra, não demora muito e logo dizemos: “deixa ele, depois a gente corrige”.

Diga  “Não” ao Seu Filho.

Grande parte das crianças vive atualmente uma infância curta, uma longa adolescência e se tornam adultos que não sabem escolher, optar, corrigir seus erros e se responsabilizar por eles. Vivem de modo ansioso e inseguro do berço à adolescência, segundo o exemplo familiar. Passam de crianças mimadas a adultos frustrados, que não conseguem abandonar o modelo infantil ao se relacionar com a realidade, andando sobre ilusões. Resta agora aos pais se conscientizarem e tentarem mudar a situação ou esperar para ver – e pagar – os prejuízos, na próxima geração. Lembre-se: é saudável dizer não aos filhos!

Quem é Daniel Lima Gonçalves: Psicanalista, Filósofo e Teólogo.
Membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF; Membro da International Sándor Ferenczi Network – ISFN; Membro Emérito – Sociedade Pernambucana de Estudos Psicanalíticos – SPEP; Estudo Permanente em Psicanálise no Instituto Nebulosa Marginal – INM; Especialista em Psicanálise e Teoria Analítica – FATIN; Especialista em Filosofia e Autoconhecimento – PUCRS; Extensão em Certificação Profissional em Neurociências – PUCRS; Pós-graduando em Ciências Humanas – PUCRS; Cursando Formação na clínica psicanalítica com adultos – CPPLRecife.
@daniellima.pe    daniellimagoncalves.pe@gmail.com