Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 08 de dezembro de 2021

Bem Estar

Os discursos do corpo e o processo analítico

Quando um sintoma surge no corpo, ele é resultado de uma simbolização que foi abortada.

Postado em 23/06/2021 2021 17:06 , Bem Estar. Atualizado em 23/06/2021 17:06

Colunista

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN. @daniellima.pe

Ao longo da vida, com frequência enfrentamos situações inesperadas  geradoras de intensas angústias. Se por excesso, essas angústias não podem ser digeridas, elas transbordam para o corpo que adoece. A abordagem psicanalítica dos fenômenos somáticos compreende as doenças físicas e as afecções corporais como medidas defensivas,  para manter o equilíbrio dessa organização emocional. Quando há falhas nesse processo,  isso pode resultar na somatização dos sofrimentos. Na ausência do símbolo e da palavra é no corpo que eles se manifestam.

 

A Somatização Tem Origem Psicológica

A somatização ocorre quando um indivíduo começa a apresentar sintomas físicos, mas que possuem origem psicológica. Assim, ele pode experimentar fortes dores de cabeça, falta de ar ou náuseas, por exemplo, sem que exista uma doença de ordem física causando essas sensações. A somatização pode se apresentar através dos mais diferentes sintomas físicos. Entretanto, existem alguns que são mais comuns, são eles:

Dores de cabeça, na coluna, no peito, nas articulações ou em qualquer parte do corpo sem uma causa física aparente;

Problemas de ordem gastrointestinal, como diarreia, náuseas e vômito;

Dificuldade para respirar, ingerir alimentos ou se locomover;

Perda da voz, visão ou audição de forma temporária.

Os fenômenos somáticos (dores no corpo), podem ser considerados uma modalidade de descarga de angústias,  que não podem ser pensadas e vem de experiências traumáticas sofridas em estágios precoces do desenvolvimento da pessoa. Essas vivências precisarão ser nomeadas para, então, serem pensadas e elaboradas, em vez de seguirem sendo derramadas sobre o soma (o corpo).

 

Fazer Análise é Um Bom Caminho Para Lidar com o Sofrimento da Mente, o Que se Manifesta no Corpo.

É recorrente na clínica atual vermos pacientes que apresentam respostas somáticas diante do sofrimento psíquico, cabendo ao analista, por meio de sua escuta, até mesmo de sua pessoa, dar um novo sentido ao que, de alguma forma, escapou ao investimento libidinal. O encontro analítico passou a ser visto como uma relação que produz um impacto emocional mútuo, no qual ocorrem trocas de informações, ou seja, comunicações nas esferas verbal e não verbal, intencionais ou não.

O processo analítico com pacientes somáticos inclui permanentes idas e vindas, melhoras e piora,  intensas e intermináveis. São análises longas que exigem desprendimento e vitalidade por parte do analista. É na relação transferencial (relação do paciente para o analista) e contratransferencial (relação do analista para o paciente), que novas qualidades de vínculo serão desenvolvidas. Sendo assim, fazer análise é um bom caminho para entender e lidar com os sofrimentos psíquicos (da mente),  que se manifestam no soma (no corpo). Portanto, procure ajuda especializada (psicanalista, psicólogo e/ou psiquiatra).

 

Quem é Daniel Lima Gonçalves :

Psicanalista, Filósofo e Teólogo.

daniellimagoncalves.pe@gmail.com

Instagram: @daniellima.pe

Membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF;

Member of International Sândor Ferenczi Network – ISFN;

Associado à Sociedade Brasileira de Filosofia Analítica – SBFA;

Membro Emérito da  Sociedade Pernambucana de Estudos Psicanalíticos – SPEP.