Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 26 de novembro de 2021

Economia

Fruticultura do Sertão beneficiada com isenção de ICMS em Pernambuco

Os produtores rurais do Vale do São Francisco serão os principais beneficiados com a ampliação da isenção do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) para os fruticultores em Pernambuco. A iniciativa se aplica a produtos em estado natural ou resfriados e vai beneficiar mais de 3,2 mil produtores da região do Vale do São Francisco.

Postado em 08/07/2021 2021 17:59 , Economia. Atualizado em 08/07/2021 18:26

Jornalista ,

O decreto do governador Paulo Câmara ampliando a isenção será publicado até a próxima segunda-feira (12.07), no Diário Oficial do Estado. A medida atende a uma demanda do próprio segmento, e se aplica aos produtos hortifrutícolas apenas em estado natural ou resfriados, com o objetivo de conservação e transporte.

Na isenção de ICMS serão incluídos produtos ralados, cortados, picados, fatiados, torneados, descascados, desfolhados, lavados, higienizados ou embalados em caixas. A uva comercializada em embalagem também está incluída na relação.

Cerca de 3,2 mil produtores beneficiados

Somente no Vale do São Francisco, a decisão do executivo estadual vai beneficiar cerca de 3,2 mil produtores da fruticultura, que atualmente são responsáveis pela geração de mais de 80 mil empregos diretos.



A redução foi comemorada pelo secretário estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação, deputado Lucas Ramos, nas redes sociais. “As uvas de mesa produzidas no Vale do São Francisco continuarão isentas da cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) em Pernambuco. O governador Paulo Câmara assinará decreto que retoma o incentivo tributário, destacando que a isenção também alcança o produto que é comercializado em embalagens plásticas. Recebemos a notícia em primeira mão. Mais uma conquista do nosso mandato para o fortalecimento da fruticultura irrigada”, afirmou Ramos.

Divulgação

O secretário assegura, ainda, o decreto retira a cobrança do imposto sobre as uvas vendidas em embalagens plásticas. “Recentemente, houve a interpretação de que a uva vendida em embalagens plásticas se caracterizava como produto industrializado, o que gerou autos de cobrança de ICMS a pequenos, médios e grandes produtores, inclusive os que são membros de cooperativas. Com a nova determinação, não haverá mais risco de cobrança de imposto para esses casos”, concluiu.