Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 08 de dezembro de 2021

Bem Estar

Felicidade em tempos de otimismo toxico

“Se só quiséssemos ser felizes, seria fácil, mas queremos ser mais felizes que os outros e isso é quase sempre difícil, porque acreditamos serem os outros mais felizes do que são.” (Montesquieu, “Meus pensamentos.”)

Postado em 21/07/2021 2021 18:05 , Bem Estar. Atualizado em 21/07/2021 19:04

Colunista

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN. @daniellima.pe

 

Pollyanna é uma menina de onze anos que, após perder seus pais, vai morar com uma tia má, que até então,  não conhecia. Para não encarar os problemas que enfrentava, passa a utilizar o “jogo do contente”. Esse jogo consistia basicamente em ver um lado positivo em tudo, até mesmo,  nas situações mais difíceis. Esta é a personagem central do livro homônimo escrito por Eleanor H. Porter, em 1913, e que é um clássico da literatura infantojuvenil. Passou a ser sinônimo da pessoa excessivamente otimista e até ingênua e também define um padrão de comportamento chamado Síndrome de Poliana.

A quem interessa o pensamento positivo a qualquer custo?

Ao invés de tentar serem felizes o tempo todo, as pessoas devem mudar a forma como lidam com os problemas. Há pessoas que retratam uma vida irreal e de fantasia pelas mídias sociais, exaltando um grande otimismo ou situações que não condizem com a realidade. Quem recebe ou vê esse tipo de informação pode entrar em um sentimento de euforia ou tristeza baseado no que imagina e questionar seus próprios sentimentos. O psicanalista e mestre em filosofia, Pedro De Santi, associa a positividade tóxica ao negacionismo, que ele chama de “pensamento mágico”, isso porque,  segundo ele, quem vive assim caminha “de acordo com a lógica de que se você pensar positivo tudo vai se resolver e nada de ruim vai acontecer, basta pensar positivo para não pegar Covid e ignorar todas as outras orientações”. Então, aqui cabe uma pergunta: A quem interessa o pensamento positivo custe o que custar?



Felicidade não é um objetivo

 

Christian Dunker, professor titular do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo) e psicanalista, disse em uma entrevista a CNN que “Felicidade tem a ver com viver intensamente o presente, para o bem e para o mal, com seus dias de pesar e gravidade, como os que estamos passando agora. Tem menos a ver com expectativas e mais com a realidade”. Estamos vivendo um momento em que todos estão bastante vulneráveis à uma infelicidade, de modo que os especialistas lembram que felicidade não deveria ser vista como um objetivo a ser atingido, mas como o efeito de uma vida que vale a pena ser vivida na sua tristeza, no seu luto, nas suas perdas, e na sua raiva. “A recomendação que Freud fez há mais de 90 anos não poderia ser mais atual: ‘cada um deve encontrar o seu caminho para a felicidade, e que ele seja o menos negacionista possível’”, finaliza Dunker.

 

A felicidade em estágio continuo,  é fantasia

Freud no ensaio “Alguns tipos de caráter encontrados no trabalho psicanalítico” (1916), descreve as manifestações clínicas que seguem o caminho oposto ao da satisfação do desejo. Ele destaca a resistência de certos pacientes que se opõem ao tratamento psicanalítico, mas o que chama a atenção é que alguns sujeitos caem doentes exatamente diante da iminência de um desejo se realizar e não como se esperaria normalmente, como se a frustração fosse a raiz de uma doença. Freud diz que em alguns casos, o paciente é incapaz de tolerar uma felicidade gerada pela realização do desejo, por isso, ele se agarra ao sintoma, diante de qualquer sinal de cura. Deste modo, o sujeito não está disposto a melhorar porque não quer abandonar seu sofrimento. A intenção de que o homem seja “feliz” não se acha incluída no plano da criação (1929). Freud conclui que a felicidade só existe em contraposição ao sofrimento, é repentina e toma-nos de surpresa. Deste modo, a felicidade em estado contínuo não é mais do que uma fantasia, pois só conhecemos uma coisa em contraste com seu oposto.

 

Quer realmente ser feliz?

Então, antes de tudo é preciso aprender a caminhar na ambivalência, desconsiderando o conceito publicitário de felicidade, experimentando a vida sem negar aquilo que realmente sente. Como disse Espinoza em “Da origem e da natureza das afecções”: “Aceitar que nosso destino é só nosso. Que nossa tristeza ou alegria dependem de nós mesmos.” Isso segue o conceito grego que era: “Um instante de vida que vale por ele mesmo.” Sem se impor um otimismo como um mantra que nega o que se sente. Afinal, a felicidade não é um produto, não é um estágio alienante, um comercial, não é uma caixa só de alegrias. Portanto, seja você em sua singularidade na alegria e na tristeza, quando não suportar mais tal mal-estar procure ajuda especializada.

 

Quem é Daniel Lima Gonçalves: Psicanalista, Filósofo e Teólogo.
Membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF; Membro da International Sándor Ferenczi Network – ISFN; Membro Emérito – Sociedade Pernambucana de Estudos Psicanalíticos – SPEP; Estudo Permanente em Psicanálise no Instituto Nebulosa Marginal – INM; Especialista em Psicanálise e Teoria Analítica – FATIN; Especialista em Filosofia e Autoconhecimento – PUCRS; Extensão em Certificação Profissional em Neurociências – PUCRS; Pós-graduando em Ciências Humanas – PUCRS; Cursando Formação na clínica psicanalítica com adultos – CPPLRecife. @daniellima.pe    daniellimagoncalves.pe@gmail.com