Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Bem Estar

“Coisa pública abra as asas sobre nós”. Por Diedson Alves

Neste 132 anos de república, avanços, retrocessos e entraves fizeram parte da nossa história, aquele ideal de coisa pública sempre esteve muito restrito, efetivamente, ou em alguns momentos de avanços sofremos muitos entraves que nos custaram ampliações sociais e democráticas, é o caso do Estado Novo (1937 a 1945) e Ditadura Militar (1964 a 1985).

Postado em 16/11/2021 2021 18:00 , Bem Estar. Atualizado em 16/11/2021 18:56

Jornalista ,

Prof. Diedson Alves Mestre em Ciência da Educação

Repleta de crises, insatisfações, novas demandas, conspirações e golpe no dia 15 de novembro de 1889, cai o Império e proclama-se a República. Sem raízes populares a partir de uma rasa e momentânea aproximação entre civis e militares.
Uma república que apesar de sonhada desde os movimentos separatistas coloniais, a exemplo: Inconfidência Mineira, Conjuração Baiana e Revolução Pernambucana, a mesma demorou tanto tempo a se efetivar, que nasceu velha, passando a se chamar de República Velha, por ter fortes raízes atreladas à estrutura agrária escravocrata.
Neste 132 anos de república, avanços, retrocessos e entraves fizeram parte da nossa história, aquele ideal de coisa pública sempre esteve muito restrito, efetivamente, ou em alguns momentos de avanços sofremos muitos entraves que nos custaram ampliações sociais e democráticas, é o caso do Estado Novo (1937 a 1945) e Ditadura Militar (1964 a 1985).
Que nessa Nova República, a partir de 1985, com sua emblemática Constituição “Cidadã” de 1988, sendo o período mais longo da nossa democracia, possamos realmente efetivar a coisa pública, tendo como ponto de partida a “liberdade, liberdade! Abre as asas sobre nós! E que a voz da igualdade seja sempre a nossa voz!”