Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Últimas Notícias

Decisão do STF evita despejo de mais de 14 mil famílias de Pernambuco

São Paulo, Amazonas e Pernambuco seguem sendo os estados onde mais famílias estão ameaçadas de perder sua moradia.

Postado em 10/12/2021 2021 07:30 , Últimas Notícias. Atualizado em 10/12/2021 07:37

Colunista
Jornalista ,

Nesta semana, o Supremo Tribunal Federal (STF) determinou a extensão, até março, da decisão que impedia despejos e remoções urbanos e rurais em razão da pandemia. Acompanhando o voto do ministro relator da ação, Luis Roberto Barroso, os ministros compreenderam que a crise sanitária não foi plenamente sanada.

 

Em Pernambuco 14.818 famílias estão ameaçadas de perder sua moradia. No ranking o Estado pernambucano está em terceiro lugar no número de pessoas que vivem sob essa ameaça. Segundo levantamento da Campanha Despejo Zero, a decisão protege mais de 123 mil famílias distribuídas por todo país que correm risco de despejos ou remoções.

 

Em junho, Barroso havia decidido favoravelmente à suspensão dos despejos por seis meses. O novo pedido analisado na corte pedia a suspensão por um ano, entretanto, o ministro prorrogou por três meses. “Com a chegada do mês de dezembro, constata-se que a pandemia ainda não chegou ao fim e o contexto internacional – notadamente com a nova onda na Europa e o surgimento de uma nova variante na África – recomenda especial cautela por parte das autoridades públicas”, declarou Barroso em seu voto.

 

Despejos rurais

 

Na decisão, o ministro Barroso ainda solicita que a Câmara dos Deputados também prorrogue a Lei Nacional Despejo Zero que vence no dia 31 de dezembro de 2021. “Faço apelo ao legislador, a fim de que prorrogue a vigência do prazo de suspensão das ordens de desocupação e despejo”

 

Como a lei aprovada pelo Congresso não inclui a suspensão de despejos de áreas rurais, o ministro destacou a necessidade do Legislativo observar a inclusão desta população na lei. “Não há justificativa razoável para se proteger pessoas em situação de vulnerabilidade nas cidades e não no campo, ainda mais quando noticiados casos de desocupações violentas em áreas rurais. A Lei nº 14.216/2021, nessa parte, cria uma distinção desproporcional e protege de forma insuficiente pessoas que habitam áreas rurais, distorção que deve ser corrigida na via judicial”, apontou Barroso.