Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Bem Estar

Por que muitos se queixam de uma melancolia nesta época natalina?

O final do ano simboliza encerramento e todo fim causa certa tristeza, porém, na maioria das vezes, é uma tristeza existencial e não patológica.

Postado em 22/12/2021 2021 21:00 , Bem Estar. Atualizado em 22/12/2021 21:01

Colunista

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN. @daniellima.pe

O período natalino traz a possibilidade de repetição: as mesmas músicas, mesmo cardápio, as trocas de presentes, o mesmo ritual, etc. Com isto vêm as lembranças do passado e consequentemente da infância que era sempre envolvida de muita fantasia.

Então, ocorre uma curiosa e deprimente conscientização de que o tempo passou seguido pela sensação de que poucas coisas boas aconteceram. Assim, constatamos que a vida não é linear, tampouco estática. Ela é feita de altos e baixos e tudo depende da ênfase que cada sujeito dá àquilo que ele ganha ou perde. O final do ano simboliza encerramento e todo fim causa certa tristeza, porém, na maioria das vezes, é uma tristeza existencial e não patológica.

No mês de dezembro algumas pessoas ficam eufóricas com a possibilidade de terminar um ciclo e inaugurar um novo período cheio de possibilidades. É um mês caracterizado como época de alegria, celebrações e encontros de família. Por ser o último mês do calendário acabou se tornando sinônimo de balanço de vida, de modo que para a maioria das pessoas, a visão é sempre negativa – perdas não elaboradas ou projetos não concretizados acabam ressurgindo com força total, levando as pessoas a esquecerem das conquistas que tiveram durante o ano e acabar transformando tudo isso numa espécie de convite à depressão.

Sendo assim, há também quem receba a época das festas e o fim de ano com certa melancolia. Segundo os especialistas, esse tipo de sensação é mais comum do que se imagina e está relacionada ao balanço pessoal que é feito quando cada um tenta descobrir o quanto avançou em relação às metas estabelecidas no início do ano. O que resulta dessa reflexão é o que nos faz sentir mais ou menos pressionados, mais ou menos tristes ou melancólicos. A melancolia de final de ano tem até um nome: “Christmas Blues”.

Esta é uma época tradicionalmente saudosista, quando lembranças sempre vêm à tona. Sim, existe uma melancolia no ar e que a maioria das pessoas não sabem expressar de onde vem. Alguns se queixam da “obrigação” das festas familiares, onde reencontrar aquele parente o faz lembrar situações antigas e mal resolvidas. É como colocar o dedo na ferida.

Outros se queixam da ausência de pessoas que já faleceram. Aproveitar este período para fazer uma reflexão sobre escolhas conscientizar-se das nossas limitações e ver o que pode ser melhorado é uma boa saída para dar outro sentido a esta época que pode ter outro significado: recomeço e refazimento. A boa notícia é que em geral os sintomas e os sentimentos ruins desaparecem logo no começo do novo ano, quando a rotina começa a se normalizar e a vida volta aos trilhos.

Portanto, não se sentir na obrigação de parecer feliz e satisfeito em todos os lugares aonde vai só porque é época festiva, nos traz consciência da nossa singularidade. No tradicional balanço de fim de ano, consideremos os esforços e atentemos para fatores que interferiram sobre os resultados que obtivemos na vida pessoal e profissional, tentemos enxergar o empenho que colocamos em cada objetivo. Claro, é saudável lembrar de bons momentos e até sentir saudade deles. Todavia, tenhamos em mente que a cada dia temos novas oportunidades de construir novos bons momentos, para serem eternizados na memória. Não permitir que os compromissos dessa época nos afastem de nós mesmos e dos cuidados conosco é um desafio.

No entanto, se a tristeza natalina se prolongar por meses, tornando-se um estado permanente, o melhor a fazer é procurar apoio profissional de um psicanalista, psicólogo e/ou médico psiquiatra. Quando a melancolia leva ao isolamento total e rouba a vontade de viver e de desempenhar até mesmo as atividades que antes pareciam prazerosas, é preciso investigar.

O agravamento desse quadro pode levar a doenças mais sérias, como a síndrome do pânico, os transtornos de ansiedade e até mesmo a depressão.

Feliz Natal!

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN.
@daniellima.pe