Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Economia

Empresários do Sertão pernambucano avaliam que Ferrovia trará mais investimentos

José Gualberto de Almeida, presidente da Valexport avalia que ocorrerá diminuição de custos

Postado em 16/01/2022 2022 14:00 , Economia. Atualizado em 16/01/2022 11:43

Jornalista ,

José Gualberto de Almeida, presidente da Valexport/ Arquivo Pessoal

Após autorização por parte do Governo Federal, dentro do novo Marco Legal de Ferrovias, para que a mineradora Bemisa construa e explore a ferrovia de 717 quilômetros que liga Curral Novo, no Piauí, ao Porto de Suape,  na Região Metropolitana do Recife (RMR), empresários pernambucanos já vislumbram um futuro com uma melhor logística e renda para o Estado e seus munícipes.  O investimento previsto para o projeto é de R $5,7 bilhões a ser executado pela Bemisa, uma das maiores do País no ramo de exploração e exportação de minérios. 

Em recentes declarações dadas à imprensa, o governador de Pernambuco Paulo Câmara  citou a ferrovia como futura responsável pela geração de milhares de empregos em setores diversos. O diretor Comercial da indústria Cimentos Pajeú, localizada no município de Carnaíba, Miguel Petribu Filho, corrobora com a avaliação do governador de Pernambuco. Para Petribu Filho chega a ser “inadmissível”, um país com as dimensões continentais do Brasil, não ter como principal matriz de transporte a ferrovia. 

O empresário avalia que o novo trecho que liga o Piauí a Suape, cortando todo o Estado, é excelente não apenas porque vai haver uma circulação maior de dinheiro na economia, mas também pela expectativa de desenvolvimento das cidades, por meio do comércio, indústria e setores ligados à essa obra. 

“Acredito que ela vai ter um efeito rápido na vida do sertanejo, que tem hoje dificuldades de escoar e receber produtos. Será uma grande mudança”, pontuou. Os efeitos para sua empresa diretamente , quando for concluída, deve atingir os custos com o transporte de insumos e facilitar o escoamento do cimento para o estado do Piauí.  

“Imaginamos que a partir da conclusão desta obra vai haver barateamento do transporte de insumos e também deve facilitar o transporte do cimento para o Estado do Piauí, ampliando ainda mais o  mercado”, revelou. 

Fruticultura 

Quem concorda também que deve ocorrer  uma redução no valor para o transporte dos insumos, gerando menos custo para os fruticultores do Vale do São Francisco, é o presidente da Valexport, José Gualberto de Almeida. “Uma ferrovia sempre é boa, pois em tese diminui os custos para todos os setores econômicos e para nós da fruticultura também, principalmente na questão dos insumos”, comentou.

Para José Gualberto , mesmo distante aproximadamente 250 quilômetros do centro de cultivo e produção, que fica em Petrolina, os investimentos públicos sempre trazem desenvolvimento para toda a região e são bem vindos. “Nesse aspecto é bom para toda a região, não vai mudar nossa realidade no quesito de escoamento de frutas, mas como já afirmei será importante para a circulação de insumos e vai fazer circular mais investimentos no Estado”, pontuou.