Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Educação

Mais uma Guerra. Que bomba é essa!? Por Diedson Alves

“A Guerra é um lugar onde jovens que não se conhecem e não se odeiam se matam entre si, por decisão de velhos que se conhecem e se odeiam, mas não se matam”

Postado em 02/03/2022 2022 10:42 , Educação. Atualizado em 02/03/2022 10:43

Colunista

Prof. Diedson Alves Mestre em Ciência da Educação

Na televisão, no rádio, nos blogs, na imprensa mundial, pulverizada nas redes sociais tendo desdobramentos nos infinitos cantos desse planeta, os noticiários contam em tempo real passo a passo, decisão a decisão um grande conflito de proporções mundiais.

Sim de proporções mundiais, o conflito  Rússia e Ucrânia, alimentado pelo governo norte-americano através da OTAN, organização do tratado do atlântico norte, em um mundo globalizado, traz desdobramentos globais.

Nações imperialistas que em nome de uma discurso civilizatório, de um desenvolvimento, de um progresso já provocaram duas grandes guerras mundiais sinônimo de disputa por território, áreas ideológicas de influência, mercado consumidor, mercado para investimento, matérias-primas, minérios e mão de obra em excesso.

A melhor expressão sobre o atual conflito  protagonizado por Rússia e EUA, tendo como epicentro a Ucrânia, que encontrei uma frase  viralizada nas redes sociais atribuída a um soldado, piloto de caça alemão, Erich Hartann, durante a Segunda Guerra: “A Guerra é um lugar onde jovens que não se conhecem e não se odeiam se matam entre si, por decisão de velhos que se conhecem e se odeiam, mas não se matam”

Essa é a grande consequência de uma Guerra para o mundo, aqueles que orquestram esse projeto de destruição humana, de imbecilidade planetária se blindam, se resguardam para tirar o maior proveito de um conflito nessa magnitude, foi assim em todas as versões histórica.

Com isso não podemos agir com naturalidade, não podemos nos sentir distantes do que está acontecendo, os destroços serão incalculáveis.

Que possamos aprender e passar para novas gerações atitudes que semeiem, efetivamente a paz e que esse evento contribua para que a humanidade possa finalmente se redimir diante dessa bomba.