Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Economia

Orçamento doméstico do Sertão pode ser afetado por guerra na Ucrânia, afirma economista

A Faculdade de Petrolina – FACAPE, tem acompanhado junto aos seus professores e pesquisadores os acontecimentos no leste europeu, especialmente o conflito entre Rússia e Ucrânia.

Postado em 14/03/2022 2022 19:01 , Economia. Atualizado em 17/03/2022 16:12

Colunista
Jornalista ,

Socorro Macedo integra o Colegiado de Economia da Facape. (Foto: divulgação Facape)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

A economista, professora e coordenadora do Colegiado de Economia da Facape em Petrolina, no Sertão do São Francisco, Socorro Macedo, fez uma análise de como a guerra entre Rússia e Ucrânia afeta o Brasil e a região do Vale de São Francisco. Como a região que está em conflito é uma grande produtora de milho, trigo e, principalmente, petróleo, uma guerra dentro dessa localidade reduz esse processo produtivo.

A conclusão é que com a guerra, a oferta de produtos fica menor e a exportação se torna comprometida. Segundo a pesquisadora, a redução da quantidade exportada nessa região, significa que a produção brasileira e de outras regiões serão mais atrativas para o comércio internacional, tornando os produtos ainda mais caros para o mercado interno.

Tropas russas estão atacando a Ucrânia desde fevereiro. (Foto: reprodução internet)

“Se um país que é o quarto maior exportador e o maior produtor, não está produzindo ou vai reduzir, a quantidade produzida será comprometida. Significa que o Brasil que é um grande produtor de grãos e um grande produtor de commodities, nessa situação, vai ter seus produtos mais caros, comprometendo o preço da carne; do leite; da margarina e assim vai a cadeia como um todo”, ressaltou Socorro Macedo.

Além disso, questões ligadas às condições climáticas, transporte e a pandemia podem interferir na mudança dos preços, e contribuir para a desorganização das cadeias produtivas. Para a pesquisadora da Facape, a valorização do real diante do dólar deve ser encarada com cautela, uma vez que os insumos foram comprados no momento em que o dólar estava mais caro e serão vendidos por um valor menor.

Levando em consideração todo o cenário internacional, os custos e a redução da oferta de produtos, a professora Socorro Macedo considera que esse é um momento de muitas incertezas e que requer muita atenção com o orçamento doméstica.