Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de abril de 2024

Cultura

Fotos e xilogravuras pelas mãos de jovens e adultos em Casa Nova, na Bahia

A exposição acontece até este sábado (19) no Colégio Estadual de Casa Nova, no centro da cidade

Postado em 19/03/2022 2022 08:00 , Cultura. Atualizado em 19/03/2022 09:07

Jornalista ,

Os novos cordelistas e artistas do semiárido nordestino/ divulgação

 

Como construir versos e xilogravuras que fazem parte do universo da literatura de cordel? Esse foi um dos principais objetivos e que gerou resultados criativos e confeccionados por jovens e adultos, moradores da comunidade de Melancia no município de Casa Nova, na Bahia, semiárido nordestino.

Isso foi possível a partir do projeto “Grafias da Caatinga – da Xilogravura à Fotografia”, que ofereceu gratuitamente duas oficinas – de fotografia e xilogravura -, realizadas na Comunidade da Melancia, na zona rural do município.

Jovens e adultos criaram seus próprios projetos com base na literatura de cordel/ divulgação

“Os objetos fotografados no nosso dia-a-dia na caatinga ou trazidos na memória dos alunos foram transformados em xilogravura, reforçando a nossa cultura e identidade como caatingueiros. Foi surpreendente o resultado,” destaca Thiago Rocha, que coordena o projeto junto com o cineasta Wllyssys Wolfgang.

O resultado do projeto poderá ser apreciado pelo público até hoje (19), no Colégio Estadual de Casa Nova, localizado na Rua A, no centro da cidade. A iniciativa é inédita na comunidade e causou grande repercussão, contando com mais de 20 alunos em cada oficina, todos oriundos de comunidades de fundo de pasto (comunidades tradicionais rurais no Semiárido).

Projeto comunitário

“A primeira exposição foi feita exclusivamente na comunidade da Melancia para que os próprios alunos pudessem apreciar, participar e trazer os familiares e amigos. Agora está sendo na zona urbana para que haja um reconhecimento e integração entre a comunidade e os moradores da sede”, afirma Wllyssys Wolfgang.

Mais de 80% dos alunos são pretos ou pardos; 70% mulheres e 100% oriundos de escolas públicas. Nenhum dos alunos havia feito um curso de xilogravura, embora 100% conhecessem a literatura de cordel, de acordo com levantamento feito entre os próprios estudantes.

O projeto é realizado em parceria com a produtora WW Filmes e apoio logístico da Caroá Produções, empresas que atuam no Vale do São Francisco, além dos profissionais Wyvys Reis(produção e logística), Jota Souza(Jota Filmes) e Paloma Biondo(auxiliar pedagógica). O projeto conta com o apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.