Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 27 de fevereiro de 2024

Saúde

Febre aftosa: 1ª etapa da campanha de vacinação começa nesta segunda em Pernambuco

Serão imunizados 73 milhões de ovinos e bubalinos

Postado em 03/05/2023 2023 08:43 , Saúde. Atualizado em 03/05/2023 08:43

Jornalista ,

Começou na segunda-feira a primeira etapa da campanha nacional de vacinação contra a febre aftosa. De acordo com o Ministério da Agricultura e Pecuária, cerca de 73 milhões de bovinos e bubalinos de todas as idades devem ser imunizados.

Neste primeiro momento, a vacinação ocorre em 14 estados: Alagoas, parte do Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe e São Paulo. A campanha segue até 31 de maio.

As vacinas, segundo a pasta, devem ser adquiridas em revendas autorizadas e mantidas entre 2 e 8 graus Celsius (°C) desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda.

Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 mililitros (ml) na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina.

De acordo com o ministério, além de vacinar o rebanho, o produtor deve também declarar ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado. A declaração de vacinação deve ser feita nos prazos estipulados pelo serviço veterinário estadual.

A vacinação contra a febre aftosa é de extrema importância para a saúde e bem-estar dos animais, bem como para a economia e segurança alimentar de um país. A febre aftosa é uma doença viral altamente contagiosa que afeta animais de casco fendido, como bovinos, suínos, ovinos e caprinos. Ela causa febre, lesões na boca, nas tetas e nas patas, levando à perda de peso, redução da produção de leite e prejuízos econômicos significativos.

A vacinação contra a febre aftosa desempenha um papel crucial na prevenção e controle da disseminação do vírus. Ao vacinar o rebanho, os animais desenvolvem imunidade contra a doença, o que reduz o risco de contaminação e surtos. Além disso, a vacinação em massa contribui para a erradicação da febre aftosa em determinadas áreas e até mesmo em países inteiros.

Existem várias razões pelas quais a vacinação contra a febre aftosa é tão importante:

  1. Proteção animal: A vacinação previne o sofrimento dos animais infectados pela doença. A febre aftosa causa dor intensa e dificuldade de locomoção devido às lesões nas patas, o que pode resultar em problemas de bem-estar animal.
  2. Segurança alimentar: A febre aftosa pode afetar a qualidade e a segurança dos produtos de origem animal, como carne e leite. A vacinação garante que esses produtos sejam seguros para consumo humano, protegendo a saúde pública.
  3. Comércio internacional: A presença da febre aftosa em um país pode resultar em restrições ao comércio de animais vivos e produtos de origem animal. A vacinação é uma medida fundamental para a obtenção de certificados sanitários e para a manutenção das relações comerciais com outros países.
  4. Economia: A febre aftosa pode ter um impacto significativo na economia de um país. A doença leva à redução da produção de carne, leite e outros produtos animais, resultando em perdas financeiras para os produtores e para o setor agrícola como um todo.
  5. Prevenção de surtos: A vacinação em massa ajuda a prevenir surtos da doença, pois reduz a chance de propagação do vírus entre os animais. Isso é especialmente importante em regiões onde a febre aftosa ainda é endêmica ou em áreas que buscam o status de livre da doença.

Portanto, a vacinação  é essencial para proteger os animais, garantir a segurança alimentar, manter a saúde pública, facilitar o comércio internacional e preservar a economia agrícola. É uma medida preventiva eficaz e amplamente adotada em todo o mundo para controlar e erradicar a doença.

Em caso de dúvidas, a orientação é para que o produtor procure o órgão executor de defesa sanitária animal de seu estado.

Fonte: Agência Brasil 

Foto reprodução