Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 29 de fevereiro de 2024

Agronegócios

FENAGRI se consolida como impulsionadora de negócios em Petrolina, movimentando mais de R$ 250 milhões

A FENAGRI que encerra em Petrolina hoje, (12) empresas no ramo de tecnologia digital trouxeram as principais novidades tecnológicas que envolvem o setor do agronegócio e agroindústria, como maquinário e equipamentos agrícolas, sementes, defensivos e fertilizantes, veículos, energia renovável, softwares e equipamentos de informação em tempo real, dentre outros

Postado em 12/08/2023 2023 06:05 , Agronegócios, Economia. Atualizado em 11/08/2023 20:28

Colunista

Fotos: Deivid Menezes

FENAGRI 

Com objetivo de fortalecer a ampliação do agronegócio regional, e  promover em diversos ramos, incluindo a fruticultura, a FENAGRI encerra hoje dia 12 de julho, com expectativa de  fechar com  mais de R$ 250 milhões em negócios na cidade de  Petrolina.

“A FENAGRI  tem um importante papel no desenvolvimento do agronegócio, em especial da fruticultura irrigada, onde, com a implantação do Projeto Pontal, a atração de novos investidores e abertura de novos mercados farão com que a feira seja o principal vetor de sinergia entre o produtor, exportador e importador”, pontuou o secretário de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Giovanni Costa.  

O coordenador da Fenagri 2023, Thiago Brito, ressalta ainda que a Feira vai continuar sendo a maior da América Latina no ramo de fruticultura irrigada. 

Workshop sobre citricultura no semiárido abriu a programação de palestras na Fenagri 2023

O III Workshop sobre Citros no semiárido, com ênfase na limeira ácida ‘Tahiti’ foi realizado na manhã dessa quarta-feira (09), no auditório da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). O evento, que abriu a programação de palestras e debates da Fenagri 2023 em Petrolina, teve como objetivo promover o debate com produtores e técnicos sobre as inovações tecnológicas capazes de incrementar o negócio com os citros, dando destaque ao limão ‘Tahiti’.

Divulgação

A lima ácida ‘Tahiti’ é a quinta fruta mais exportada do Brasil, considerada de grande relevância para a economia brasileira. De acordo com coordenadora do evento técnico e pesquisadora Débora Bastos, da Embrapa Semiárido, após vários experimentos e pesquisas foi constatada que os citros se adaptaram bem na região do Vale do São Francisco. “Muitas pessoas já estão despertando o interesse em plantar a lima tahiti, para justamente diversificar com as uvas, que já é tradicional na nossa região, assim gerando mais emprego e renda. Estou muito feliz em poder contribuir com meu conhecimento e principalmente dentro da programação da Fenagri”, pontuou Débora Bastos. Ela destaca ainda que a limeira ácida ‘Tahiti’, as laranjas, os pomelos, os limões verdadeiros e as tangerinas dentre as possibilidades para expansão de cultivos e investimentos na região.

Em clima de tecnologia e fechamento de grandes negócios, a feira é visitada para diversão com família e amigos

O consultor de negócios Adim Moura, da cidade de Caraí, sul da Bahia, visitou pela primeira vez a FENAGRI e aproveitou a oportunidade para conhecer os estandes. “Trabalho em uma empresa no ramo de caminhões e já percebi que aqui tem muitas opções de negócios e quem sabe ano que vem não estarei aqui expondo com minha equipe. Parabéns pela organização. Estou gostando muito”, comentou Adim, que veio acompanhado da esposa, Jamile Moura, e da filha. 

Nos dois primeiros dias, circularam pela FENAGRI cerca de 15 mil pessoas que aproveitaram para conhecer também as máquinas e tecnologias agrícolas de 210 empresas expositoras. Para melhor recepcionar o público, a feira disponibiliza estrutura com área de alimentação, segurança, banheiros, sonorização interna e atendimento médico.

TECNOLOGIA 

Fotos: Deivid Menezes

Em meio as máquinas agrícolas, empresas expõem o que há de mais moderno em dispositivos tecnológicos 

A FENAGRI que encerra em Petrolina hoje, (12) empresas no ramo de tecnologia digital trouxeram as principais novidades tecnológicas que envolvem o setor do agronegócio e agroindústria, como maquinário e equipamentos agrícolas, sementes, defensivos e fertilizantes, veículos, energia renovável, softwares e equipamentos de informação em tempo real, dentre outros. 

Uma das empresas expositoras trouxe para região a mais alta tecnologia através de drones de aplicação de defensivos: aumentando a produtividade, trazendo sustentabilidade e segurança de forma acessível ao produtor rural. “Poucas empresas do Vale do São Francisco utilizam drones para pulverizar a sua plantação. Sendo que a tecnologia veio para revolucionar as operações agrícolas de toda sua lavoura, trazendo recursos e funcionalidades mais inovadores e potentes, permitindo a máxima otimização de tempo em suas operações”, enfatizou o empresário Rafael Seibert, que veio do Espírito Santo/PR.

Outro exemplo do digital no campo é uma Startup de Recife, que trouxe para Fenagri um controle de monitoramento de automação, parecido com Alexa (uma assistente pessoal virtual com o objetivo de auxiliar na execução de algumas tarefas cotidianas), está sendo utilizado para o agronegócio. “Esse controle ajuda para monitorar, automatizar equipamentos e processos no ambiente do agronegócio, com sensores de clima, solo e monitoramento de tanques e viveiros visando o aumento do controle de produtividade”, explicou a gestora comercial da empresa, Larissa Costa. 



Revolucionando o manejo integrado de pragas, uma empresa de Campinas, São Paulo, trouxe um aparelho que é uma armadilha automática e utiliza da inteligência artificial para monitorar e identificar pragas agrícolas em tempo real, auxiliando na aplicação eficiente e sustentável de insumos químicos e biológicos conforme a necessidade de cada cultura. “A utilização de inteligência artificial na classificação por imagem de pragas agrícolas apresenta diversas vantagens em relação aos métodos tradicionais, como a rapidez na detecção, a possibilidade de monitoramento em tempo real e a redução dos custos com mão de obra e insumos agrícolas”, explicou o engenheiro agrônomo, Fabrício Almeida.