Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 27 de fevereiro de 2024

Cultura

Trupé de Arcoverde viaja ao continente africano com o projeto Pernambuco em Moçambique

O Samba de Coco Raízes de Arcoverde é um dos principais representantes do coco, tradição afro-indígena do Nordeste do Brasil, e faz dos pés seu capital cultural

Postado em 19/08/2023 2023 01:16 , Cultura. Atualizado em 19/08/2023 01:16

Na pisada acelerada feita com tamancos de madeira, batizada de trupé, a batida percussiva do grupo ainda guarda a memória do ritual africano de amassar o barro para a construção das casas. Essa tecnologia sonora criada por Lula Calixto, saudoso membro fundador do grupo, transforma o corpo em uma máquina de hiperitmos, imbuída de memórias ancestrais e ligação com o contemporâneo.

Para celebrar e difundir este legado cultural, entre os dias 22 e 26 de agosto, acontece o projeto PE em Moçambique, no qual integrantes do grupo farão uma residência artística no país africano, estabelecendo um intercâmbio com a Associação Cultural Hodi Maputo Afro Swing para uma série de atividades. A iniciativa é uma produção de Cabra Fulô e Buruçu, e conta com incentivo do Governo de Pernambuco, por meio do Funcultura.

Para representar o trupé em Moçambique, os bailarinos do Coco Raízes de Arcoverde Dayane e Kell Calixto participarão, ao longo de uma semana, de uma residência artística e de apresentações com a Banda e a Companhia de Canto e Dança Hodi, de Maputo. O Grupo Hodi é reconhecido por preservar ritmos tradicionais moçambicanos e por criar fusões inovadoras com gêneros musicais como reggae e jazz, mantendo firmes suas raízes nos ritmos e instrumentos tradicionais.

Divulgação

O grupo Hodi é reconhecido por preservar ritmos tradicionais moçambicanos e por criar fusões inovadoras com gêneros musicais como reggae e jazz

Com mais de 80 artistas, a Hodi desenvolve espaços de cultura nos bairros Polana Caniço, na capital do Moçambique, focando ainda na profissionalização dos agentes culturais da região e em intercâmbios com centros culturais de vários países. Sua banda já trabalhou com artistas como Leon Mobley (EUA), Timbuktu (Suécia), Mingas (Moçambique), Harlem Hot Shots (Suécia), Lenna Bahule (Moçambique/Brasil), Matuto (EUA), Sol Homar (Colômbia), Rhodalia Silvestre (Moçambique), dentre outros.

“É a primeira vez que temos contato com um grupo que traz o trupé, e esperamos aprender muito com os artistas, assim como partilhar a nossa experiência e encontrar danças moçambicanas que tenham uma batida própria. Com este intercâmbio esperamos, mais uma vez, tornar firme a ponte cultural entre Moçambique e o mundo e, neste caso específico, o Brasil. Tratando-se de dois países com uma forte ligação histórica e cultural, será uma grande reafirmação e desta vez com a música, dança e oficinas”, pontua Elias José Manhiça, diretor geral da Hodi.

A colaboração entre o Coco Raízes de Arcoverde e os artistas moçambicanos resultará em um espetáculo conjunto que será apresentado para a comunidade da Associação Hodi, assim como no Festival Nacional de Cultura, principal expoente da arte do país que reúne cerca de mil artistas de diferentes linguagens. Este último contará também com a presença virtual de todo o restante do grupo, diretamente de Arcoverde. Segundo Kell Calixto, que, além de dançarino, também é multi-instrumentista em percussão e vocalista do Coco Raízes de Arcoverde, as expectativas para essa viagem são muito altas.

O artista, que dança coco desde os três anos de idade, cresceu em uma família imersa nessa tradição popular. Aos 12 anos, ele começou a acompanhar o grupo em viagens, participando de diversas oficinas e espetáculos. Agora, aos 26 anos, Kell compartilha que, apesar de já ter percorrido todo o território brasileiro, esta será a sua primeira incursão internacional. Embora o grupo já tenha visitado a França e o Canadá, essas oportunidades ocorreram quando o artista ainda era jovem demais para acompanhá-lo.

Serviço: 
PE em Moçambique
Programação das atividades:
22 a 25 de agosto – Residência Artística
23 de agosto – Desfile na cerimônia de abertura do Festival Nacional de Cultura de Moçambique
24 de agosto – Oficina e exibição do filme “Ressonâncias Rupestres” na Escola Primária Matchik Tchik
25 de agosto – Show Hodi + Coco Raízes de Arcoverde, na Associação Hodi
26 de agosto – Show Hodi + Coco Raízes no Festival Nacional de Cultura (inclui apresentação virtual do grupo, diretamente de Arcoverde)