Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 26 de fevereiro de 2024

Economia

Supermercados de Recife registram redução significativa nos valores da cebola, óleo de soja e mandioca

Capital pernambucana registrou, entre janeiro e agosto de 2023, redução em dez cortes de carne bovina, além do frango e da sardinha, segundo levantamento do IBGE referente ao IPCA

Postado em 15/09/2023 2023 13:28 , Economia. Atualizado em 15/09/2023 13:28

De acordo com o IPCA, 36 itens alimentícios em Recife apresentaram redução de preços nos primeiros oito meses de 2023 em comparação com o final de 2022. A cebola lidera a lista com uma redução de 44,42% no preço, seguida por óleo de soja (-19,44%) e mandioca (-15,72%). Outros itens que apresentaram redução de preço incluem doce de frutas em pasta (-13,06%), cheiro-verde (-13,2%) e batata-inglesa (-9,97%).

A capital pernambucana registrou ainda uma redução nos preços em dez tipos de cortes de carne bovina nos oito primeiros meses deste ano, com destaque para fígado (-14,64%), costela (-13,7%) e contrafilé (-13.03%). Completam a lista a alcatra (-9,71%), o patinho (-8,62%), o acém (-8,46%), o chã de dentro (-8,13%), a pá (-6,46%), o músculo (-6,38%) e o cupim (-5,93%). O frango inteiro (-10.39%), o frango em pedaços (-8,64%), a sardinha (-8,38%) e a carne de porco (-5,42%) também apresentaram redução.

DEFLAÇÃO – Os dados nacionais indicam que houve uma retração expressiva e consecutiva nos últimos três meses no grupo de alimentos e bebidas. Em agosto, o recuo deste grupo foi de -0,85%, em grande parte devido à redução nos preços da alimentação no domicílio (-1,26%). A maior queda foi a da batata-inglesa (-12,92%) e destacam-se ainda o feijão-carioca (-8,27%), o tomate (-7,91%), o leite longa vida (-3,35%), o frango em pedaços (-2,57%) e as carnes (-1,90%).

INFLAÇÃO – No geral, a inflação de agosto foi de 0,23%, abaixo do que era projetado pelo mercado, e 0,11 ponto percentual acima da taxa de 0,12% registrada em julho. No ano, o IPCA acumula alta de 3,23%. Em agosto, o maior impacto (0,17 p.p) e a maior variação (1,11%) vieram de Habitação, com destaque para o subitem energia elétrica residencial, com um aumento de 4,59% e impacto de 0,18 p.p. no índice geral.



“O aumento na energia elétrica foi influenciado, principalmente, pelo fim da incorporação do bônus de Itaipu, referente a um saldo positivo na conta de comercialização de energia elétrica de Itaipu em 2022, que foi incorporado nas contas de luz de todos os consumidores do Sistema Interligado Nacional em julho e que não está mais presente em agosto”, explica André Almeida, gerente do IPCA/INPC.

Fonte: Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República