Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 16 de junho de 2024

Saúde

SBM divulga dados atualizados em apoio ao Outubro Rosa, mês de conscientização sobre o câncer de mama

Na campanha Outubro Rosa, Sociedade Brasileira de Mastologia traz estudos validados pela entidade para mostrar a realidade da doença no Brasil

Postado em 03/10/2023 2023 22:58 , Saúde. Atualizado em 03/10/2023 23:00

A Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) reuniu informações, dados e pesquisas atualizadas e validadas em apoio ao início do Outubro Rosa. O propósito é destacar a relevância da atenção às políticas públicas sobre o tratamento do câncer de mama no Brasil.

Na campanha Outubro Rosa, Sociedade Brasileira de Mastologia traz estudos validados pela entidade para mostrar a realidade da doença no Brasil

Estima-se que haverá 73.610 novos casos de câncer de mama no Brasil este ano, mas algumas mulheres podem não ser diagnosticadas devido à falta de exames e assistência médica. A desigualdade no acesso à saúde e a falta de rastreamento mamográfico durante a pandemia de Covid-19 agravaram a situação. A Sociedade Brasileira de Mastologia lançou a campanha “Juntos somos mais fortes #cancerdemamatemcura” para conscientizar sobre a importância da detecção precoce.

“Este Outubro Rosa, especialmente, demonstra um caráter abrangente e inclusivo, com a preocupação de envolver profissionais de saúde, esferas governamentais, empresas e principalmente as famílias brasileiras sobre a necessidade de prevenção, diagnóstico e tratamento do câncer de mama”, afirma o mastologista Tufi Hassan, presidente da SBM.

Da mesma forma que no Outubro Rosa, durante todo o ano a Sociedade Brasileira de Mastologia contribui para respaldar políticas públicas e iniciativas de prevenção à doença no Brasil. “Uma forma que acreditamos ser bastante assertiva para atingir esses objetivos é a validação sistemática de dados e análises produzidos por pesquisadores de universidades e instituições renomadas no Brasil, assim como por especialistas da SBM”, destaca. “São estudos em publicações como a Nature Cancer, uma das principais revistas científicas do mundo, ratificados pela entidade.”

Covid-19

Uma das pesquisas, “Covid-19 e o câncer de mama no Brasil”, é o primeiro estudo no País a avaliar individualmente todas as regiões do território nacional, destacando as consequências da pandemia no diagnóstico e tratamento da doença. O levantamento indica aumento de cerca de 26% nos casos de câncer de mama nos estágios mais graves da doença em função da pandemia. A constatação, segundo o mastologista, revela a necessidade de implementação de um modelo de saúde pública totalmente renovado para o enfrentamento do câncer no Brasil.

Desigualdade

Outro estudo, também relacionado à Covid-19, comprova que a condição socieconômica das mulheres no País foi determinante no diagnóstico do câncer de mama antes e depois da pandemia. A avaliação compara pacientes atendidas pela saúde suplementar, que engloba serviços privados prestados por planos de saúde, e pelo Sistema Único de Saúde (SUS), para espelhar uma situação de contrastes. Com a pandemia, os diagnósticos de estágios avançados da doença entre as usuárias do SUS atingiram 52,04%, contra 36,4% no setor privado.

Mais velhas e mais jovens

Um levantamento, também validado pela Sociedade Brasileira de Mastologia, revela aumento do número de casos graves da doença entre mulheres com 70 anos de idade ou mais. Outro levantamento aponta uma situação contrastante, e não menos preocupante com relação ao “rejuvenescimento” da doença: a incidência do câncer de mama entre pacientes mais jovens. Segundo dados analisados pela SBM, há crescimento de população abaixo de 49 anos com diagnóstico de câncer de mama no Brasil.

No primeiro estudo, com mulheres acima de 70 anos, a redução do rastreamento para câncer de mama no Sistema Único de Saúde (SUS) é flagrante. No segundo, com pacientes jovens, o obstáculo no diagnóstico precisa ser transposto com urgência, uma vez que a mamografia é recomendada apenas após os 50 anos pelos serviços de saúde. Segundo a SBM, o grupo a partir de 40 anos deveria ser estratégico para as políticas de saúde voltadas ao diagnóstico precoce e tratamento mais eficaz.

Sobre o exame de mamografia, principal método de rastreamento de câncer, a SBM vem encaminhando discussões na esfera federal a respeito da necessidade de documentar em filme impresso e específico todos os exames realizados no SUS e na saúde suplementar, o que infelizmente não acontece em grande parte do Brasil, atrasando ainda mais os diagnósticos e inícios de tratamentos de pacientes.

Leis dos 30 e 60 dias

A determinação que prevê o diagnóstico do câncer de mama no prazo inferior a 30 dias (Lei nº 13.896/2019), e a que indica o início do tratamento em centro especializado em prazo igual ou inferior a 60 dias (Lei nº 12.732/2012), são acompanhadas com atenção pela SBM. O não cumprimento da legislação, de acordo com levantamento inédito obtido pela entidade, realizado no Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Goiás (UFG), faz com que a maioria das mulheres participantes do estudo leve mais de quatro semanas em cada etapa de exame e igual período para iniciar o tratamento. O “medo”, para mais de 80% das entrevistadas, é fator preponderante que dificulta a primeira consulta médica, após a mulher perceber uma anormalidade na mama, a realização da mamografia ou ultrassom e a biópsia mamária.

Causas hereditárias

Entre muitas ações importantes, e com a perspectiva de assegurar em lei a realização de exames nos casos da doença associados a causas hereditárias, a SBM propõe que os testes genéticos para prevenção, diagnóstico e tratamento dos cânceres de mama e ovário no âmbito do SUS sejam feitos em todo o País. Até agora, somente cinco Estados brasileiros dispõem de legislações específicas para Detecção de Mutação Genética dos Genes BRCA1 e BRCA2 custeada pelo SUS. O direito já assiste as mulheres no sistema suplementar operado pelos planos de saúde desde 2014.

Navegação

A Sociedade Brasileira de Mastologia também destaca a importância do Programa de Navegação de Pacientes para melhorar o acesso aos cuidados em oncologia no País. Com a inclusão do navegador nas equipes de saúde, o programa traz inúmeros benefícios. Os navegadores avaliam e compreendem as necessidades físicas, emocionais, informativas e logísticas da paciente e possibilitam aprimoramentos importantes para os sistemas de saúde oferecidos no País, como a ampliação do rastreamento na atenção primária de saúde, o diagnóstico precoce da doença, a celeridade para início do tratamento, assim como a melhoria da qualidade dos procedimentos, que convergem para a satisfação do paciente a partir da experiência na utilização dos serviços médicos.

Na campanha Juntos somos mais fortes #cancerdemamatemcura, o presidente da SBM enfatiza a importância do núcleo familiar no acompanhamento da paciente e no apoio durante o tratamento. “Não há uma estatística sobre abandono de pacientes diagnosticadas com câncer de mama, mas sabemos que é uma realidade. Neste sentido, o Outubro Rosa chama à reflexão e à iniciativa no momento em que as mulheres estão mais fragilizadas e necessitadas da presença de suas famílias. A cura depende também de afeto”, finaliza Tufi Hassan.

 

Informações e pesquisas

O site da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM) disponibiliza para consulta as principais pesquisas validadas pela entidade. Acesse: www.sbmastologia.com.br

Expresso Roraima