Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 27 de fevereiro de 2024

Educação

PROFESSORES E IAs NAVEGANDO NA DUALIDADE DA EDUCAÇÃO MODERNA

Concluindo, ratificamos que a preocupação dos professores em relação à má utilização das IAs pelos estudantes é legítima e reflete um desejo profundo de preservar a integridade e a qualidade da educação.

Postado em 26/12/2023 2023 18:19 , Educação. Atualizado em 26/12/2023 18:19

Hilton

Em um mundo cada vez mais digitalizado, a interação entre estudantes e Inteligências Artificiais (IAs) no ambiente educacional tornou-se uma realidade inegável. Enquanto a tecnologia avança a passos largos, os professores, como guardiães do conhecimento e do processo de aprendizado, enfrentam uma preocupação crescente: a má utilização das IAs por parte dos estudantes na elaboração de suas atividades escolares.

A angústia dos educadores é legítima e compreensível. Afinal, quando os estudantes recorrem às IAs para concluir tarefas acadêmicas, há um potencial comprometimento da integridade intelectual e do desenvolvimento genuíno das habilidades. A simples replicação de informações, sem o devido processo de reflexão, compreensão e aplicação, pode resultar em uma aprendizagem superficial e desprovida de significado.

A preocupação não se limita à mera execução de tarefas. Existe um receio profundo de que a dependência excessiva das ferramentas tecnológicas possa diminuir a capacidade dos estudantes de pensar criticamente, resolver problemas complexos e desenvolver habilidades socioemocionais essenciais. Afinal, a educação não se trata apenas da assimilação de informações, mas também da formação integral do indivíduo, preparando-o para enfrentar desafios, colaborar e contribuir de forma significativa para a sociedade.

No entanto, ao mesmo tempo que os professores expressam suas preocupações legítimas, é crucial reconhecer que os avanços tecnológicos são uma corrida sem volta. As Inteligências Artificiais estão cada vez mais integradas em diversos aspectos de nossas vidas, e a educação não é exceção. Nesse contexto, em vez de resistir ou ignorar essa realidade, é imperativo repensar e reimaginar o papel das delas no processo educacional.

A comunhão entre aprendizado de qualidade e mediação das Inteligências é um desafio que exige uma abordagem equilibrada e proativa. Em vez de serem vistas como ameaças, podem ser encaradas como ferramentas poderosas que, quando utilizadas de maneira adequada, possibilitam enriquecer e potencializar o processo educativo.

Os professores têm a oportunidade única de orientar os estudantes sobre como utilizar esses instrumentos de forma ética e eficaz. Em vez de simplesmente condenar ou proibir o uso dessas tecnologias, os educadores podem promover atividades que incentivem a colaboração, a criatividade e o pensamento crítico. Ao integrar as IAs em projetos educacionais, os estudantes podem aprender a avaliar, questionar e aplicar informações de maneira significativa, enquanto desenvolvem habilidades essenciais para o século XXI.

Além disso, é fundamental investir em formação contínua para os professores, capacitando-os para navegar neste novo cenário educacional. A educação tecnológica deve ser uma prioridade, garantindo que os educadores estejam equipados com as ferramentas, recursos e conhecimentos necessários para integrá-las de maneira ética e benéfica.

Por fim, a colaboração entre educadores, especialistas em tecnologia e stakeholders educacionais é essencial para garantir uma transição suave e eficaz para este novo paradigma educacional. Ao trabalharmos juntos, podemos criar um ambiente onde as tecnologias complementem, em vez de substituir, o papel vital dos professores no processo de aprendizado.

Concluindo, ratificamos que a preocupação dos professores em relação à má utilização das IAs pelos estudantes é legítima e reflete um desejo profundo de preservar a integridade e a qualidade da educação. No entanto, diante dos avanços tecnológicos inevitáveis, é imperativo repensar e reimaginar a relação entre aprendizado de qualidade e mediação dessa extensão de habilidades. Com uma abordagem equilibrada, proativa e colaborativa, podemos criar um futuro educacional onde tecnologia e humanidade coexistam harmoniosamente, preparando os estudantes para os desafios e oportunidades do mundo moderno.

Reflitamos com cautela!

Hilton Rocha é professor de português e inglês há mais de 26 anos, além de tradutor e intérprete de conferências. Licenciado em Letras pela Universidade Federal de Pernambuco, pós-graduado em Linguística pela Faculdade Frassinetti do Recife – FAFIRE e pós-graduado em Tradução pela Universidade Estácio de Sá.