Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 10 de julho de 2024

Coluna Psicanálise no Cotidiano

O amor na visão freudiana: uma análise psicanalítica.

Segundo Freud, o amor é uma expressão da libido, a energia vital que impulsiona os instintos sexuais e de sobrevivência.

Postado em 11/06/2024 2024 09:38 , Coluna Psicanálise no Cotidiano. Atualizado em 01/07/2024 13:46

Colunista

O amor, em sua essência multifacetada, é um dos sentimentos mais complexos e estudados na história da humanidade. Na psicanálise freudiana, o amor transcende a mera atração ou afeto, tornando-se um fenômeno psíquico que encontra raízes profundas no inconsciente. Neste texto busco explorar as nuances do amor segundo Sigmund Freud, destacando sua importância no desenvolvimento psicossexual e nas relações interpessoais.

Segundo Freud, o amor é uma expressão da libido, a energia vital que impulsiona os instintos sexuais e de sobrevivência. A libido é distribuída entre os objetos de desejo de um indivíduo ao longo de sua vida, começando pelos primeiros laços afetivos estabelecidos na infância. Esses laços iniciais, especialmente com as figuras parentais, são cruciais para a formação da capacidade de amar e se relacionar no futuro.

A teoria freudiana postula que o amor infantil é marcado por um narcisismo primário, onde o bebê se vê como o centro do universo. À medida que cresce e se desenvolve, esse narcisismo dá lugar ao amor objetal, direcionado a outras pessoas. O equilíbrio entre o amor egóico e o amor objetal é fundamental para a saúde emocional e a capacidade de estabelecer relações significativas.

Freud também abordou o conceito de “amor de transferência” no contexto terapêutico. Durante a análise psicanalítica, os pacientes frequentemente projetam sentimentos inconscientes em relação a figuras significativas de seu passado no analista. Esse fenômeno não apenas facilita a compreensão dos padrões relacionais do paciente, mas também serve como uma ferramenta valiosa para desvendar e tratar conflitos internos.

O amor na psicanálise freudiana não se limita à esfera romântica; ele permeia todas as formas de relacionamento humano. A capacidade de amar e ser amado é vista como um indicador de maturidade psicológica e saúde mental. Através do amor, os indivíduos encontram significado e satisfação em suas vidas, superando assim o isolamento inerente à condição humana.

No entanto, Freud reconheceu que o amor pode ser fonte de grande sofrimento quando desequilibrado ou não correspondido. Os investimentos objetais mal resolvidos da infância podem levar a padrões repetitivos de relacionamentos disfuncionais na vida adulta. A psicanálise oferece um caminho para entender e curar essas feridas emocionais através da exploração do inconsciente.

Além disso, Freud explorou as implicações do amor na criatividade e na sublimação. Ele sugeriu que a energia libidinal pode ser canalizada para atividades artísticas, intelectuais ou sociais, transformando assim o desejo sexual em realizações culturais significativas. Essa transmutação da libido é essencial para a realização pessoal e a contribuição para a sociedade.

A psicanálise freudiana também destaca o amor como um elemento central na resolução de conflitos internos. O amor, quando saudável, promove a integração da personalidade e a reconciliação de desejos opostos dentro do psiquismo. Isso permite que o indivíduo alcance um senso de completude e paz interior, fundamentais para o bem-estar psicológico.

Em conclusão, a visão freudiana do amor é intrincada e profundamente enraizada na teoria psicanalítica. Ela oferece uma perspectiva valiosa sobre as complexidades do coração humano e os mecanismos inconscientes que governam nossas relações mais íntimas. Ao entender o amor através da lente da psicanálise, podemos começar a desvendar os mistérios de nossas próprias emoções e comportamentos, pavimentando o caminho para relacionamentos mais saudáveis e satisfatórios.

Daniel Lima, teólogo, filósofo e psicanalista.

Psicanalista membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF.

Pós-graduado em ciências humanas: sociologia, história e filosofia.

Pós-graduado em psicanálise e teoria analítica.

www.psicanalisedaniellima.blogspot.com

daniellimagoncalves.pe@gmail.com

@daniellima.pe