Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 13 de julho de 2024

Coluna Psicanálise no Cotidiano

O amor próprio na perspectiva psicanalítica

Portanto, o amor próprio na psicanálise é um conceito complexo e multifacetado que abrange desde o desenvolvimento inicial do ego e das relações objetais até a capacidade de processar experiências emocionais e criar representações internas positivas.

Postado em 12/06/2024 2024 17:59 , Coluna Psicanálise no Cotidiano. Atualizado em 12/07/2024 23:28

Colunista

O conceito de amor próprio é um tema central na psicanálise, abordado sob diversas perspectivas teóricas que enriquecem nossa compreensão sobre seu desenvolvimento e importância na vida psíquica do indivíduo. A psicanálise, desde suas origens com Sigmund Freud até as contribuições de teóricos como Melanie Klein, Donald Winnicott, Wilfred Bion, André Green e Sándor Ferenczi, oferece uma análise profunda e multifacetada sobre como o amor próprio se forma e se manifesta. Este ensaio explora essas diferentes abordagens, destacando como cada teórico contribui para uma compreensão mais ampla e complexa do amor próprio.

Sigmund Freud introduziu o conceito de narcisismo para explicar o amor próprio, diferenciando entre narcisismo primário e secundário. No narcisismo primário, a libido é inicialmente investida no próprio eu, enquanto no narcisismo secundário, a libido é retirada dos objetos externos e reinvestida no eu. Essa dinâmica freudiana sugere que o amor próprio está intrinsecamente ligado ao desenvolvimento do ego e à maneira como o indivíduo se relaciona consigo mesmo e com os outros. Assim, a qualidade das primeiras experiências de investimento libidinal no eu pode influenciar significativamente a capacidade de amar a si mesmo ao longo da vida.

Melanie Klein enfatizou a importância das relações objetais iniciais na formação do amor próprio. Segundo Klein, as primeiras interações do bebê com a mãe e outras figuras importantes moldam a maneira como ele se vê e se valoriza. Experiências positivas nessas interações podem levar a uma internalização saudável e amorosa, enquanto experiências negativas podem resultar em dificuldades na autoestima e no amor próprio. A teoria kleiniana sugere que o amor próprio é fortemente influenciado pela qualidade das primeiras relações objetais e pela internalização das figuras parentais.

Donald Winnicott introduziu a ideia do verdadeiro e falso self, associando o amor próprio à capacidade do indivíduo de ser verdadeiro consigo mesmo. Para Winnicott, um ambiente suficientemente bom, que oferece suporte e validação, é crucial para que o indivíduo desenvolva um verdadeiro self, autêntico e integrado. O amor próprio, nesse contexto, surge quando a pessoa consegue expressar sua verdadeira identidade e viver de maneira coerente com seus desejos e necessidades internos. Assim, a autenticidade e a congruência entre o self interno e o comportamento externo são fundamentais para o desenvolvimento de um amor próprio saudável.

Wilfred Bion, com seu foco na função alfa e na contenção, sugeriu que o amor próprio está relacionado à capacidade de processar e dar sentido às experiências emocionais. Quando um cuidador oferece uma contenção adequada, ajudando a transformar experiências brutas em pensamentos compreensíveis, o indivíduo desenvolve uma maior capacidade de autossustentação e, consequentemente, um amor próprio mais robusto. A teoria de Bion destaca a importância de metabolizar experiências emocionais e de transformar o sofrimento psíquico em crescimento e desenvolvimento pessoal.

André Green trouxe à tona a complexidade do amor próprio ao abordar os estados de vazio e de não-representação. Para Green, a capacidade de amar a si mesmo pode ser profundamente impactada por experiências de perda e ausência, que podem levar a um sentimento de vazio interno. A superação dessas experiências e a construção de uma representação interna positiva são essenciais para o desenvolvimento do amor próprio. A teoria de Green sugere que a capacidade de amar a si mesmo está ligada à habilidade de criar e manter representações internas positivas, mesmo diante de perdas e frustrações.

Sándor Ferenczi enfatizou a importância da empatia e do cuidado no desenvolvimento do amor próprio. Ele acreditava que a capacidade de se amar e se cuidar está diretamente relacionada à maneira como fomos cuidados e compreendidos nas primeiras fases da vida. A empatia do analista, nesse sentido, pode ajudar a reparar falhas e deficiências na formação do amor próprio. Ferenczi destaca a importância do ambiente terapêutico empático e compreensivo como um fator crucial para a reparação de traumas e para o fortalecimento do amor próprio.

Cada uma dessas perspectivas oferece insights valiosos sobre como o amor próprio se desenvolve e pode ser fortalecido através do processo psicanalítico. A compreensão dessas diferentes abordagens permite aos pacientes e analistas trabalhar juntos para cultivar um senso mais profundo e sustentável de amor e respeito por si mesmos. Integrar essas teorias na prática clínica pode proporcionar uma abordagem mais holística e eficaz para ajudar os indivíduos a desenvolverem um amor próprio saudável e resiliente.

Portanto, o amor próprio na psicanálise é um conceito complexo e multifacetado que abrange desde o desenvolvimento inicial do ego e das relações objetais até a capacidade de processar experiências emocionais e criar representações internas positivas. As contribuições de Freud, Klein, Winnicott, Bion, Green e Ferenczi fornecem um arcabouço teórico robusto que permite uma compreensão profunda das dinâmicas envolvidas no desenvolvimento do amor próprio. Ao integrar essas perspectivas, a psicanálise pode oferecer um caminho valioso para a promoção do bem-estar emocional e da saúde mental, ajudando os indivíduos a desenvolverem uma relação mais amorosa e respeitosa consigo mesmos.

 

Daniel Lima, teólogo, filósofo e psicanalista.

Psicanalista membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF.

Pós-graduado em ciências humanas: sociologia, história e filosofia.

Pós-graduado em psicanálise e teoria analítica.

www.psicanalisedaniellima.blogspot.com

daniellimagoncalves.pe@gmail.com

@daniellima.pe