Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 13 de julho de 2024

Cultura

Quadrilha junina é reconhecida como patrimônio cultural do Brasil

Lei sancionada pelo presidente Lula foi publicada nesta segunda-feira (24/6) no Diário Oficial da União

Postado em 25/06/2024 2024 12:18 , Cultura. Atualizado em 13/07/2024 01:11

 

Um dos estilos de dança mais tradicionais e característicos do Brasil, a quadrilha junina agora se une a outros marcos culturais como as escolas de samba, o forró e as festas juninas. A partir desta segunda-feira (24/6), passa a ser reconhecida oficialmente como uma expressão da cultura nacional. A Lei Nº 14.900, que formaliza essa decisão, foi assinada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva e pela ministra da Cultura, Margareth Menezes, e publicada no Diário Oficial da União.

As raízes das quadrilhas juninas estão nas danças de salão europeias, que chegaram ao Brasil pela corte portuguesa no início do século 19. A “quadrille” surgiu em Paris, no século 18, como dança de salão composta por quatro casais. Era dançada pela elite europeia e veio para o Brasil durante o período da Regência, por volta de 1830, onde tornou-se febre no ambiente aristocrático.

A partir da corte carioca, a quadrilha foi ganhando espaço junto ao povo e passou a incorporar elementos culturais, religiosos e folclóricos nacionais. Nesse processo de adaptação, ampliou o número de pares dançantes, abandonou os passos e ritmos franceses, e, ao longo do tempo, as músicas e o casamento caipira, que antecede a dança, foram sendo incorporadas.

As quadrilhas cresceram e passaram a adquirir importância social, econômica e turística para várias cidades brasileiras, principalmente as nordestinas. Este ano, em 13 de junho, em Campina Grande, na Paraíba, cidade famosa por promover um dos maiores São João do Brasil, foi estabelecido, mais uma vez, o recorde da maior quadrilha junina do país. A dança reuniu 1.280 pares e sacramentou o 10º título consecutivo de maior quadrilha junina brasileira.

 


Ministério da Cultura