facebook jornal do sertão twitter jornal do sertaolinkedin jornal do sertaowhatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 20 de setembro de 2020

Economia

Ferramentas virtuais ajudam aqueles que querem investir

No site do banco central é possível consultar se uma instituição financeira está autorizada a funcionar pela autarquia

Postado em 12/11/2018 2018 11:40 , Economia. Atualizado em 12/11/2018 11:40

Com o aumento no número de fintechs as empresas de inovação no setor financeiro, que oferecem investimentos, cresce também a insegurança em relação as fraudes ou à perda o dinheiro aplicado.

Segundo o diretor da Associação Brasileira de Fintechs (ABFitechs) e o fundador do Yubb, buscador de investimentos online, Bernardo Pascowitch, a insegurança em relação às instituições de investimento menores e menos conhecidas faz com que muitos brasileiros hesitem em aplicar seu dinheiro. “Percebemos que o principal fator na hora de uma pessoa fazer um investimento, principalmente para as pessoas que vão fazer a primeira aplicação, é saber se aquela empresa é confiável, se não é uma fraude. Esse é o principal fator de insegurança das pessoas.”

No site do Banco Central (BC), é possível consultar se uma instituição financeira está autorizada a funcionar pela autarquia. Além disso, o cliente pode registrar reclamação no BC, caso tenha algum problema de relacionamento. Outra opção é o site consumidor.gov.br, um serviço público que permite a interlocução direta entre usuários e empresas para solução de conflitos de consumo.

Hoje (12) foi lançada uma outra ferramenta que pode ajudar os investidores na hora de escolher a instituição financeira. É uma plataforma do Yubb em que os próprios investidores avaliam as empresas em categorias como atendimento, custos, taxas e rentabilidade. Segundo Pascowitch, na fase inicial, em que a novidade estava aberta apenas para alguns usuários selecionados, cerca de 5 mil avaliações foram feitas sobre bancos grandes, médios, financeiras, corretoras, robôs de investimentos, fintechs e outras empresas.

A bancária Thaynã Idalice Veras dos Santos, de 32 anos, disse que avaliou a corretora em que abriu uma conta. “Achei interessante porque a empresa vai escutar minha opinião, deixa o cliente mais próximo”, disse.

“Percebemos que ter recomendações, seja de amigos, conhecidos ou outros investidores, é um dos principais fatores que levam as pessoas a escolher instituições para investir. Por isso, criamos a plataforma para as pessoas consultarem e pesquisarem informações sobre as empresas de investimento antes de realizar uma aplicação, visualizando avaliações com base na satisfação de quem já investiu”, explicou Pascowitch.

De acordo com ele, o consumidor não terá dados pessoais, nem mesmo o nome, divulgado na plataforma por questão de segurança. Se o cliente tiver algum problema com a instituição em que investiu, pode optar por enviar a reclamação pelo site. A instituição, assim, poderá responder ao cliente por meio da ferramenta.

Ao fazer a avaliação, os usuários precisam concordar que não estão vinculados com a empresa avaliada (por exemplo, não podem ser funcionários, parentes de funcionários, sócios, entre outros), não receberam nenhuma recompensa ou benefício e que a farão de forma honesta e sincera.

Fonte Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil