Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 21 de maio de 2024

Cidades

Afogados da Ingazeira celebra 111 anos, sendo berço cultural do Sertão Pajeú

Cidade é terra de bacamarteiros, forrozeiros, empresários, comerciantes, poetas e lideranças fortes; local inspira força, cultura, desenvolvimento e memória

Postado em 01/07/2020 2020 10:12 , Cidades, Cultura, Últimas Notícias. Atualizado em 01/07/2020 10:12

Foto: (Olha a seta – Cláudio Gomes)

 

Símbolo de força, cultura e desenvolvimento Afogados da Ingazeira, segunda maior economia do Sertão do Pajeú, celebra hoje 111 anos. Reza a lenda que o seu nome é resultado de uma história de amor, que teve um fim trágico. Um casal, que passava pela região, caiu no rio Pajeú e foi levado pela correnteza, morrendo afogado. No entanto, a origem da cidade está ligada a uma antiga fazenda de criação, pertencente ao senhor Manuel Francisco da Silva. Em 1870, ano em que as edificações no entorno do local começaram a se desenvolver, a cidade começou a ganhar forma.

O município sedia importantes órgãos públicos e possui uma economia rural e urbana forte. No meio rural, por exemplo, as atividades como o cultivo de caprino, bovino e de milho, mandioca e frutas, garantem a renda. Na área urbana, os setores automobilístico, de material de construção e logística e distribuição estão entre os mais fortes.

Mas sabe qual a melhor forma de conhecer esta aniversariante? É se deixando levar pela crônica a seguir, que retrata os cantinhos de Afogados da Ingazeira. Não estranhe se, ao final da leitura, você começar a contar as horas para arrumar as malas e visitar o local. Já quem é morador ou conhece o local, vai ficar ainda mais orgulhoso de ser sertanejo e afogadense.

Um dia em Afogados da Ingazeira 

A nossa viagem pelos recantos sertanejos começa no Sertão do Pajeú. No coração dessa microrregião, encontramos a imponente cidade de Afogados da Ingazeira, que abriga história, cultura, força e desenvolvimento. Passear por esse lugar dá direito à um belo desjejum com Bolo de Caco e café torrado e batido no pilão, mas também vale circular pelo comércio dinâmico e ativo nas áreas de automóveis, material de construção e vestuário. Quando chegar a hora do almoço, um arrumadinho com feijão de arranca e carne seca no Bar de Seu Josias não pode faltar. Logo depois, é bom desbravar o museu do rádio e lá pelo fim da tarde, apreciar a belíssima arquitetura da Catedral do Bom Senhor Jesus dos Remédios, no Centro da Cidade. No início da noite, você pode ter o privilégio de assistir a um filme no Cine – Teatro São José, que avisa a hora da sessão com uma sirene que toca imponente. Mas se você escolheu o mês de junho para visitar a cidade, fique alerta por que os Bacamarteiros se encontram por esses dias e anunciam que a terra é de respeito. Não se surpreenda se encontrar poetas, declamando versos em alguma esquina, a cidade tem conexão forte com São José do Egito e um poeta contagia o outro. Mas se você faz gosto em ver o rio Pajeú correndo solto e pelas pontes da cidade, eu já não posso garantir nada. Se a chuva teimar em não cair, ele vai simbora e, às vezes, não tem dia nem hora para voltar.