Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 21 de setembro de 2021

Cidades

Servidores, aposentados e pensionistas de Petrolina agora terão app para serviços do Igeprev

A ferramenta vai oferecer serviços como prova de vida, simulação de aposentadorias, acompanhamento de processos, emissão de contracheque entre outras consultas que agora serão feitas com mais praticidade.

Postado em 25/08/2021 2021 10:41 , Cidades. Atualizado em 25/08/2021 11:54

Jornalista , Editor Antônio José em Cidades

Os servidores efetivos, aposentados e pensionistas de Petrolina agora contam com uma nova ferramenta, o ‘Meu RPPS’. O aplicativo foi lançado pelo Instituto de Gestão Previdenciária do Município (Igeprev).

A ferramenta é voltada para os segurados do Regime Próprio de Previdência Social (RPPS), como servidores efetivos, aposentados e pensionistas e vai oferecer serviços como prova de vida, simulação de aposentadorias, acompanhamento de processos, emissão de contracheque entre outras consultas que agora serão feitas com mais praticidade.

Para baixar o aplicativo gratuito, basta ir até a loja do aplicativo do seu celular, Play Store ou loja Apple, e fazer a busca pelo ‘Meu RPPS’ e baixar. Para se cadastrar é necessário informar o CPF, data de nascimento e e-mail. Estes dados deverão ser os mesmos que constam na base do RPPS.

A ferramenta vai proporcionar mais agilidade para aqueles que utilizam o serviço. Também foi uma medida para garantir mais segurança sanitária aos usuários, pois permite um acesso remoto e diminui as aglomerações.

De acordo com o presidente do Igeprev, o ‘Meu RPPS’ é mais uma forma de auxiliar os servidores do município. “Com o aplicativo o segurado terá informações na palma da mão, de forma ágil e segura, podendo simular aposentadoria e acompanhar processos de qualquer lugar e a qualquer hora. O aplicativo ‘Meu RPPS’ foi elaborado utilizando as mais novas tecnologias em desenvolvimento de aplicativos para smartphones e cuidadosamente pensado com foco total no segurado”, afirma Wíllames.