Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 25 de outubro de 2021

Ciência e Tecnologia

Passaporte de imunização pode ser a saída mais segura para normalizar o turismo brasileiro

O relaxamento de regras para quem está vacinado não significa, de forma alguma, que os viajantes devem abandonar medidas básicas de prevenção

Postado em 12/10/2021 2021 08:00 , Ciência e Tecnologia. Atualizado em 12/10/2021 11:19

O Novo Normal, que surgiu devido a pandemia da Covid-19, criou uma urgência tecnológica. Para conviver com o novo coronavírus tornou-se crescente a procura por passaportes digitais de vacinação. O público alvo são pessoas que pretendem retomar viagens Brasil afora, além de conceder mais segurança a eventos, shows, entre outros entretenimentos que, de alguma maneira, possam ter aglomeração de pessoas.

No Sertão, a plataforma Chronus i-Passport desenvolvida pela Mooh!Tech, startup franco-brasileira, foi implantada em Afogados de Ingazeira, desde 2020, com o objetivo de ajudar o governo municipal a ter mais controle da disseminação do vírus, além de democratizar o acesso dos cidadãos ao retorno seguro às suas atividades sociais e liberalização, entre elas a do setor de turismo. 

Para entender melhor o Chronus i-Passport, o Jornal do Sertão conversou com o CEO da Mooh!Tech, Everton Cruz. Ele reafirmou que o aplicativo é sim um forte aliado para o turismo, pois, além de fornecer o passaporte digital de profilaxia do cidadão, evita o uso de papel que pode ser perdido, molhado, inutilizado e é uma forma contundente também de evitar fraudes e agilizar a verificação (digital) das informações.

Everton Cruz, CEO da startup Mooh!Tech, desenvolvedora da plataforma Chronus i-Passport, que recebeu o selo Passe Seguro PE, do Governo de Pernambuco

 “O aplicativo Chronus i-Passport usa sua tecnologia como facilitador. Agora, com a pandemia, por exemplo, a intenção é ajudar a manter os cuidados e criar bolhas seguras. Ou seja, espaços seguros para pessoas no mesmo ambiente”, afirmou Cruz. 

   A startup, inclusive, por meio de sua plataforma Chronus i-Passport, foi uma das empresas certificadas pelo Selo Passe Seguro PE, uma iniciativa do Governo do Estado no combate à Covid-19. Com o Selo Passe Seguro PE, os pernambucanos vão poder ter acesso,  com mais agilidade e segurança, a eventos que congreguem um número grande de pessoas, como shows, jogos de futebol, entre outros segmentos de entretenimento e turismo. 

Bolhas Seguras

O diferencial do Chronus i-Passport está justamente no ponto de maximizar a existência de ambientes seguros (bolhas) para que o vírus da Covid não se dissemine.

Marília Paes, doutoranda em Turismo, fala da importância da implantação dos passportes de vacinação em todo o território nacional

E por falar em bolhas seguras, a doutoranda em Turismo (UFRN), especialista em Planejamento Turístico (UPE /FCAP) e bacharel em Turismo (UFPE), Marília Paes escreveu em artigo publicado no Jornal do Sertão sobre o tema com o título: Passaporte de Vacinação e Bolhas de viagens? Nada será como antes! 

Segundo Marília, muitos são os novos protocolos adotados. Os países que têm lidado melhor com a pandemia, já consideram adotar as chamadas bolhas sociais, “que são áreas de controle e segurança entre pessoas de convívio próximo, para evitar a propagação de casos possíveis do Covid-19”, explicou. 

Para a doutoranda em Turismo, o caminho mais seguro é a implantação dos Passaportes de Vacinação em todo o território brasileiro. “Um espaço onde as pessoas entram e sabem que todos presentes apresentaram o passaporte demonstrando a situação de saúde e vacinação, ou seja sinalizando o espaço seguro para todos. Assim, a tecnologia será cada vez mais utilizada para garantir segurança biológica” reforçou. 



A especialista em Turismo cita, inclusive, reportagem da BBC News Brasil o qual afirma que alguns testes já vêm sendo feitos, tais como o IATA Travel Pass (que envolveria diversas empresas aéreas), ou o Health Protect que seria um aplicativo para compartilhar informações de exames de saúde ou vacinas, emitindo alertas ao passageiro sobre os requisitos que devem ser cumpridos no aeroporto para o qual o viajante se destina, por exemplo. E ainda, o Digital Health Pass, que estaria sendo desenvolvido pela IBM, como um cadastro digital com as informações de saúde dos passageiros.

Com tudo isso e muito mais que vem por aí, em termos de protocolos sanitários e abertura e fechamento de fronteira entre países, sabemos, sem querer ser clichê e já sendo, que “nada será como antes”. 

” Todos nós precisamos nos cuidar e pensar que enquanto o nosso país também não aderir a esses protocolos mais rígidos estará um pouco distante, para todos, a possibilidade de viajar, até mesmo para os países vizinhos, ou ainda, temos que pensar que não seremos um país que estará no topo da lista dos mais procurados por aqueles que querem fazer uma viagem segura”, finalizou.

 

 FONTE JS DIGITAL  ED 223 – EDITORA LUCIANA LEÃO / JORNALISTA LIDIANE SOUZA