Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 22 de maio de 2024

Política

Até agora, 24 cidades do Sertão querem comprar vacinas pelo Consórcio Nacional dos Municípios

Confira os detalhes desse consórcio apurado pelo Jornal do Sertão e também a lista dos municípios sertanejos interessados na compra direta das vacinas . Saiba como vai funcionar o consórcio e a origem dos recursos para compra

Postado em 15/03/2021 2021 07:00 , Política, Últimas Notícias. Atualizado em 14/03/2021 18:12

Colunista
Jornalista ,

Foto Divugação

O prefeito Miguel Coelho, que é vice-presidente da Frente Nacional dos  Prefeitos, FNP, informou que  as vacinas serão, a princípio, encaminhadas para o Programa Nacional de Imunizações para distribuição equânime entre as cidades brasileiras

Até agora, 24 cidades do Sertão manifestaram interesse na compra. Os municípios passam a integrar o consórcio após aprovação da Lei Municipal na respectiva Câmara de Vereadores.

A Frente Nacional dos Prefeitos (FNP), informou nesta sex-feira, 12 de março, que, até o momento, 2.327 municípios brasileiros manifestaram interesse na adesão ao consórcio público,  para compra de vacinas. Entre eles, 24 cidades do Sertão do pernambucano. Os municípios que manifestaram interesse passam a integrar o consórcio automaticamente, após aprovação da Lei Municipal na respectiva Câmara de Vereadores.

 Veja a lista completa das cidades sertanejas interessadas na compra de vacinas

A Câmara de Petrolina aprova adesão ao consórcio

Nesta semana, a Câmara de Vereadores de Petrolina aprovou o projeto de lei que autorizou o município a dar entrada no processo de compra dos imunizantes junto à Frente Nacional dos Prefeitos. O grupo está em fase de negociação com vários laboratórios, mas não foi informado quais são eles.

O prefeito Miguel Coelho, que é vice-presidente da FNP, informou que as vacinas serão, a princípio, encaminhadas para o Programa Nacional de Imunizações,  para distribuição equânime entre as cidades brasileiras. No entanto, caso o Governo Federal não manifeste interesse, os municípios poderão comprar diretamente as doses.

O prefeito de Petrolina, que é vice-presidente da FNP, diz que a intenção do município é comprar 150 mil doses para Petrolina. Foto: PMP

No caso de Petrolina, serão solicitadas até 150 mil doses, para os petrolinenses. E a aquisição pelo consórcio busca reforçar e agilizar a vacinação nos próximos meses.

“É um esforço conjunto para garantir mais vacinas. Tudo será feito em acordo com o Programa Nacional de Imunizações, portanto, não haverá prejuízo a ninguém. O importante é que todos os municípios estão se unindo para esse esforço coletivo. Quanto mais vacina, mais união e mais agilidade, mais rápido nosso País irá superar a pandemia”, defende Miguel.

Permissões jurídicas para a compra pelos municípios e Estados

A decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), em ação ajuizada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), e proferida no dia 23 de fevereiro, permite que estados, distrito federal e municípios possam comprar e fornecer à população vacinas contra a COVID-19. A autorização para a aquisição de imunizantes foi admitida nos casos de descumprimento do Programa Nacional de Imunizações (PNI) pelo governo federal ou de insuficiência de doses previstas para imunizar a população.

A liberação também cabe para os casos em que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) não conceda autorização em até 72 horas para o uso de imunizantes aprovados por agências reguladoras de outros países. Também nesse sentido, o Senado Federal aprovou, no dia 24 de fevereiro, o Projeto de Lei (PL) 534/2021, que se ampara na decisão proferida pelo STF e especifica as hipóteses de aquisição, ao prever que Estados, DF e municípios poderão comprar vacinas, em caráter suplementar, com recursos federais

Origem dos recursos para compra de imunizantes

Foto Ascom Petrolina

Segundo a FNP, há três alternativas de financiamento para compra das vacinas: repasses de verbas federais, inclusive decorrentes de emendas parlamentares; doações nacionais e internacionais e, eventualmente recursos dos próprios municípios consorciados. As ações para compra serão definidas pela assembleia geral e executadas pelo responsável direto pelo consórcio.

Segundo a FNP, poderão ser utilizar recursos próprios, excepcionalmente, quando houver descumprimento do Plano Nacional de Imunização ou quando este não proveja cobertura imunológica tempestiva e suficiente contra a doença.

Já o setor privado fica obrigado a doar todas as doses compradas para o Sistema Único de Saúde (SUS) enquanto ainda estiverem sendo vacinados os grupos prioritários definidos pelo Ministério da Saúde. Após a conclusão dessa etapa, as pessoas jurídicas de direito privado poderão adquirir, distribuir e administrar as vacinas, desde que pelo menos metade sejam obrigatoriamente doadas ao SUS e as demais sejam utilizadas de forma gratuita.

 

Como será a distribuição das vacinas pelo consórcio?

Segundo a Frente, o tema será definido na Assembleia Geral do Consórcio, em consonância com o Plano Nacional de Imunização, no âmbito do SUS, e de acordo com a legislação em vigor. A distribuição de vacinas entre os municípios consorciados deverá obedecer a legislação vigente e atender o critério que vier a ser definido pela assembleia do próprio consórcio. Ou seja, somente o consórcio, depois de devidamente constituído e instalado, poderá deliberar sobre essa questão.

 

Compra é restrita às vacinas autorizadas ou registradas pela Anvisa

Todas as medidas se aplicam apenas às vacinas que a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) tenha concedido registro ou autorização temporária de uso emergencial. As regras valem enquanto perdurar a Emergência em Saúde Pública de Importância Internacional (ESPIN), em decorrência do coronavírus.



Mais uma vacina integra o Plano Nacional de Imunização

Na noite desta quinta-feira, 11 de março, foi decidido que a vacina russa Sputnik V integra o Plano Nacional de Imunização (PNI). A decisão foi anunciada após reunião com os governadores do Nordeste e ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Ao todo, 39 milhões de doses da vacina russa serão compradas. No entanto, o prazo para a chegada e distribuição do imunizante não foi informado.