Facebook jornal do sertão Instagram jornal do sertão Whatsapp jornal do sertao

Pernambuco, 24 de novembro de 2021

Bem Estar

Positividade Tóxica Por Daniel LIma

Negar sentimentos não prazerosos, com felicidade artificial e otimismo forçado,  pode gerar  até problemas de saúde física.  O caminho é controlar  as emoções, mesmo diante das situações mais desafiadoras. 

Postado em 15/07/2021 2021 14:58 , Bem Estar. Atualizado em 15/07/2021 15:15

Colunista

Daniel Lima – Teólogo, Filósofo e Psicanalista/GBPSF/ISFN. @daniellima.pe

Depois do tumulto  “vai ficar tudo bem”, a pandemia lançou luz sobre uma verdade, que até então estava escondida, ou querendo ser negada: a crise de saúde mental não se resolve apenas com pensamento positivo e fármacos. Muitas vezes dar lugar às emoções negativas e ter acesso a ajuda,  é crucial para seguir em frente. Está na hora de abandonar a Positividade Tóxica.  Não é que ser otimista esteja errado, o problema está em persistir em mensagens positivas,  mesmo quando não se está bem. Afinal, tudo  não está bem de quando em quando. Como diz o velho ditado “a vida tem seus altos e baixos”, a questão é como vamos lidar com cada situação. Quando a pessoa evita reconhecer momentos de negatividade, isso a leva a sentir-se pior.

 

Estar sempre alegre é irreal

Imaginar que é possível estar sempre alegre, é no mínimo irreal. Mas esse discurso que prega o otimismo irrestrito como uma única forma de enfrentar as adversidades pode trazer graves consequências à saúde mental Esse movimento ganhou bastante força nas redes sociais  com a hashtag (#) Goodvibesonly (apenas boas vibrações), que já contabiliza mais de 13 milhões de menções no Instagram e foi batizado por  especialistas,  como “positividade tóxica,” por ser um fenômeno que nega a tristeza e outras emoções que venham a ser consideradas negativas. Nesse caso, o  pensamento positivo deixa de ser benéfico e começa a ser tóxico, porque  os momentos de dor são postos debaixo do tapete e a vida perde sentido, por isso,  a resiliência deve conter  um positivismo são.

 

A vida não é um mar de rosas

A saída de um profundo mal-estar,  nos  obriga  a olhar para o sofrimento humano de frente,  e a promover capacidades inatas – a resiliência e a gratidão –, para assim atravessarmos as horas sombrias com um otimismo realista, porque a vida não é um mar de rosas. Quando não está tudo bem,  ou quando algo realmente está mal, é preciso parar, sentir e intervir, ou seja, não basta dizer às pessoas para fazerem exercício físico ou meditar, o melhor caminho,  é  dar acesso a serviços em que possam ser escutadas, expressar emoções e serem compreendidas por profissionais qualificados.

 

Invalidar sentimentos aumenta a dor de quem sofre

No filme Divertida-Mente (2015) de Pete Docter vemos como é necessário assumir e,  que sentir tristeza ou medo,  é útil, Calar essas emoções é que traz mais sofrimento e nos impede de seguir em frente. Por mais difícil que seja a realidade, a única maneira saudável de encará-la, é aceitá-la do jeito que ela é. Isso não significa deixar de tomar atitudes conscientes para ter algum bem-estar. Quando estamos frente a um momento de sofrimento, primeiro, precisamos reconhecer que ele está ali e, depois,  ver o que é possível fazer para amenizá-lo. Equilibrando a saúde mental e o bem-estar, automaticamente existe uma sensação de que tudo vai dar certo ainda que a situação esteja desfavorável. A  psicanálise acredita que é a partir do atravessamento da dor (não negando),  é que se dará a promoção da “cura”. Invalidar sentimentos aumenta a dor de quem sofre e,  mascara os confrontos.

Quem é Daniel Lima Gonçalves: Psicanalista, Filósofo e Teólogo.
Membro do Grupo Brasileiro de Pesquisas Sándor Ferenczi – GBPSF; Membro da International Sándor Ferenczi Network – ISFN; Membro Emérito – Sociedade Pernambucana de Estudos Psicanalíticos – SPEP; Estudo Permanente em Psicanálise no Instituto Nebulosa Marginal – INM; Especialista em Psicanálise e Teoria Analítica – FATIN; Especialista em Filosofia e Autoconhecimento – PUCRS; Extensão em Certificação Profissional em Neurociências – PUCRS; Pós-graduando em Ciências Humanas – PUCRS; Cursando Formação na clínica psicanalítica com adultos – CPPLRecife.
@daniellima.pe    daniellimagoncalves.pe@gmail.com